PUBLICIDADE
Topo

SP amplia número de aulas do Ensino Médio e contratará 10 mil professores

Alunos do noturno do 2º ano do Ensino Médio, das escolas estaduais, terão 8 aulas a mais por semana - Reprodução/Instagram
Alunos do noturno do 2º ano do Ensino Médio, das escolas estaduais, terão 8 aulas a mais por semana Imagem: Reprodução/Instagram

Ana Paula Bimbati

Do UOL, em São Paulo

20/07/2021 13h00

Para cumprir as mudanças do Novo Ensino Médio, a Secretaria Estadual de Educação de São Paulo irá contratar 10 mil professores e aumentar o número de aulas por dia dos alunos, informou hoje a pasta. As novidades passam a valer a partir de 2022.

O Novo Ensino Médio foi aprovado em 2017, durante o governo de Michel Temer (MDB), e prevê uma reformulação no currículo. A partir do ano que vem, por exemplo, a etapa passa a ter uma ampliação na carga horária — de 800 para mil horas — e os chamados itinerários formativos, em que uma parte do currículo passa a ser escolhida pelos estudantes.

A reforma tem o objetivo de tornar a escola mais interessante, já que as últimas séries da Educação Básica sempre registram altos índices de evasão no Brasil. Na semana passada, o Ministério da Educação informou que a implementação do Novo Ensino Médio deve ocorrer até 2024.

Segundo o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares, para São Paulo garantir as mudanças será preciso contratar 10 mil novos professores.

"Isso significa um crescimento de 12% no total de professores com aulas no Ensino Médio, isso é bastante coisa. Muita gente acha que vai ficar sem atribuição [de aulas], mas a chance é zero", disse.

Com a reforma, mais de 121 mil aulas precisarão ser atribuídas apenas no Ensino Médio, segundo Rossieli.

O secretário também informou que os estudantes da 2ª série do Ensino Médio das escolas estaduais terão uma aula a mais por dia a partir de 2022. Em 2023, os alunos da 3ª série passam a ter mais uma aula.

"Vamos contratar mais professores para isso e poderão trabalhar de forma híbrida", explica Rossieli. As escolas poderão ofertar as novas aulas via Centro de Mídias, plataforma do governo estadual, ou presencial. "Serão duas aulas de eletivas [do itinerário formativo] e três aulas de orientação de estudo", complementa.

As aulas de orientação de estudo visam ajudam e apoiar o aluno a aprender a estudar, competências que, segundo a secretaria, não têm sido percebidas pelos estudantes do Ensino Médio.

Os alunos do noturno terão oito aulas a mais por semana e um professor atribuído para cada nova aula. Escolas pequenas também terão mudanças: "Para garantir que sejam ofertados pelo menos dois itinerários para todos os estudantes, as escolas com apenas uma turma de 2ª série em 2022 deverão duplicar a oferta de turmas", informa a secretária.

SP terá investimento de R$ 300 milhões para Novo Ensino Médio

A gestão de João Doria (PSDB) anunciou também que o estado vai investir R$ 300 milhões por meio do programa Dinheiro Direto na Escola para implementar a reforma do Ensino Médio. As escolas devem informar a secretaria nos próximos dias sobre o Plano de Aplicação Financeira.

Rossieli informou que o montante foi dividido em:

  • R$ 150 milhões para compra de materiais que ajudem nos itinerários formativos e projetos desenvolvidos nas escolas dentro das aulas do Novo Ensino Médio;
  • R$ 100 milhões para adquirir itens como equipamentos de proteção individual, reagentes químicos, microscópios e lâminas, que permitam aos professores e estudantes conduzir e aprender com experimentos científicos;
  • R$ 50 milhões para compra de materiais necessários para fazer as atividades de tecnologia e criativa, como construção de pequenos robôs, trabalho com sensores e outros projetos diversos.

O valor que cada escola receberá é definido pelo número de alunos do Ensino Médio. O investimento é um recurso adicional do PDDE, segundo a secretaria.