PUBLICIDADE
Topo

Conteúdo publicado há
1 mês

Ministro da Educação volta a criticar Paulo Freire e seu principal livro

20.out.2021 - Milton Ribeiro em audiência na Câmara - Gustavo Sales/Câmara dos Deputados
20.out.2021 - Milton Ribeiro em audiência na Câmara Imagem: Gustavo Sales/Câmara dos Deputados

Do UOL, em São Paulo

21/10/2021 08h44

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, voltou a criticar o educador Paulo Freire durante audiência realizada ontem na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle da Câmara dos Deputados.

O deputado Elias Vaz (PSB-GO) cobrou explicações do ministro sobre as críticas do gestor ao educador que completaria cem anos em setembro.

"Vimos a que pé chegou a educação pública brasileira quando abraçou de olhos fechados algumas pedagogias, que eu reputo, e quero ter essa liberdade como educador de avaliar também, posso estar errado, mas não avalio tão positivamente como o senhor. Respeito a trajetória até do educador, mas as evidências mostram que (...) o modelo proposto nos últimos vinte anos foi um desastre em termos de educação brasileira. Essa é minha avaliação", respondeu Ribeiro.

O ministro foi, então, interrompido pelo parlamentar: "O senhor está falando do Paulo Freire? Tem dificuldade de falar o nome dele?" questionou Vaz.

"Não convém a gente falar de quem não está presente e não pode se defender. Ele é um grande educador, eu respeito, sempre coloquei isso, mas tenho minha avaliação", retrucou Ribeiro.

Ele ainda criticou o livro "Pedagogia do Oprimido", principal obra de Freire. Segundo um estudo de 2016, o livro é a terceira obra acadêmica mais citada em trabalhos de ciências humanas no mundo.

"O senhor leu o livro dele, 'Pedagogia do oprimido'? (...) Se for o caso eu faço questão de lhe dar de presente este livro. Eu li três vezes, e depois a gente pode conversar. Vale a pena fazer uma avaliação sem cores ideológicas porque eu fiz isso. Antes de assumir o ministério, tive esse cuidado. Por isso que eu falo: respeito, mas falo de acordo com minha convicção", concluiu Ribeiro.

Quem foi Paulo Freire

Inspiração para gerações de professores e pesquisadores, o pedagogo recifense desenvolveu programas de alfabetização em diversos territórios, incluindo países da África, como Moçambique e Guiné-Bissau, e da América Latina, dentre os quais Chile e Nicarágua.

Antes de ter seu método de alfabetização reconhecido no mundo todo, ele implantou um modelo de extensão universitária considerado revolucionário, que usava a comunicação (escrita e falada) para levar o conhecimento da academia para o povo. O método consiste em um diálogo entre professor e estudante, em que a educação é feita levando em conta o contexto e os conhecimentos que o aluno já tem.

Paulo Freire é considerado Patrono da Educação Brasileira e é o brasileiro mais laureado com títulos de doutor honoris causa no mundo, com homenagens de ao menos 35 universidades, de diversos países.

Ele chegou a lecionar como professor visitante na Universidade de Harvard. Entre 1989 e 1991, foi secretário da Educação de São Paulo, na gestão da então prefeita Luiza Erundina. Dessa forma, ele teve a chance de concretizar políticas públicas, entre elas o Movimento de Alfabetização de Jovens e Adultos (Mova), até hoje referência nacional.

Paulo Freire, nesse e em outros contextos, destacava a educação como um ato político: "Professores e alunos devem estar cientes das 'políticas' que cercam a educação. A forma como os alunos são ensinados e o que lhes é ensinado serve a uma agenda política".

Protesto e audiência

Representantes da Une (União Nacional dos Estudantes) e da Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) estiveram na sessão para protestar contra a atuação do ministro.

Ele anunciou a criação de cinco universidades federais no País e seis Ifes (Institutos Federais de Ensino Superior). A ideia inicial do MEC era criar dez Ifes, mas, após consulta aos atuais reitores, foi confirmada a criação de apenas seis.

Ao prestar contas na Comissão de Fiscalização Financeira e Controle, o ministro atribuiu o sucateamento de instituições de ensino superior brasileiras a governos anteriores e a problemas de gestão nas entidades. "O grande problema da educação no Brasil não é o recurso, mas a gestão. Quando um educador leva a sério a gestão e o uso dos recursos públicos, os resultados aparecem", disse.

O presidente da comissão, deputado Aureo Ribeiro (Solidariedade-RJ), criticou a iniciativa e a falta de prioridade do atual governo para a educação. "Os cortes de orçamentos das instituições federais da nossa educação pública só têm crescido a cada ano, o que atinge diretamente a estrutura física dos prédios, há falta de recursos para os laboratórios e bolsas para os nossos pesquisadores. Por que não melhorar o que precisa melhorado? Por que não colocar para funcionar o que já existe?", questionou.

Ribeiro, no entanto, disse que os cortes no orçamento não são de sua responsabilidade e que não tem disponíveis os mesmos valores que antigos ministros tiveram para as universidades e institutos federais.

Com informações da Agência Câmara