PUBLICIDADE
Topo

Michelle, Bolsonaro e filhos já defenderam ex-ministro: 'Homem honesto'

Ana Paula Bimbati

Do UOL, em São Paulo

22/06/2022 13h54

Preso hoje pela PF (Polícia Federal), o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro já foi defendido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) e pela família do chefe do Executivo —a primeira-dama Michelle e seus filhos. O pastor Gilmar Santos —envolvido no suposto esquema de corrupção no MEC (Ministério da Educação)— também já recebeu elogios.

Ribeiro e os pastores envolvidos, Gilmar e Arilton Moura, são apontados como suspeitos na operação da PF que investiga "tráfico de influência e corrupção para a liberação de recursos públicos" do FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação).

No mesmo dia em que Ribeiro divulgou uma carta em que afirma que pediu exoneração do cargo, Michelle disse que Deus iria ajudar a provar a honestidade dele.

Só posso dizer que eu amo a vida dele. Deus sabe de todas as coisas, vai provar que ele é uma pessoa honesta, e justa, fiel e leal."
Michelle Bolsonaro, primeira-dama.

Reportagem publicada pelo UOL mostrou que um amigo próximo de Michelle, o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) André Mendonça, teria feito a indicação de Ribeiro para principal cadeira do MEC. No desenrolar da crise na pasta, ela tentou convencer o presidente a manter Ribeiro no cargo.

O próprio presidente disse, antes da exoneração de Ribeiro, que colocava a "cara no fogo" por ele. Após o pedido de exoneração, Bolsonaro afirmou que a sua saída era "temporária".

O Milton, coisa rara eu falar aqui, eu boto a minha cara no fogo pelo Milton. Minha cara toda no fogo pelo Milton."
Jair Bolsonaro (PL), presidente

O senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) foi outro integrante da família que saiu em defesa de Ribeiro, na época.

Na minha opinião, [Ribeiro] deve ser o ministro da Educação num segundo mandato de Bolsonaro."
Flávio Bolsonaro (PL-RJ), senador

Essas declarações foram dadas logo após a divulgação de áudio, pelo jornal Folha de S. Paulo, em que o então ministro afirmava priorizar a liberação de recursos para prefeituras indicadas pelos pastores —atendendo a pedido de Bolsonaro.

Apuração do UOL ainda indicou que era o deputado Eduardo Bolsonaro (PL-SP) que conversava com o pai durante as crises no MEC. Em diferentes situações, como na sequência de demissões do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais), no fim do ano passado, e após a revelação dos áudios de Ribeiro, o filho de Bolsonaro conversou com o pai.

Vídeos para pastor

O pastor Gilmar compartilhou em suas redes sociais vídeos de políticos o parabenizando no dia de seu aniversário nos últimos dois anos. Uma dessas pessoas é o senador Flávio Bolsonaro.

Em pouco mais de um minuto, Flávio agradece as orações e o apoio de Santos.

"Quero aqui, em nome de toda a minha família, agradecer por tudo o que o senhor faz, não por nós, mas pelo nosso Brasil. As orações, todo o trabalho de convencimento, de levar as coisas positivas que Deus está abençoando o presidente Bolsonaro de estar fazendo sentado naquela importante cadeira de presidente", disse Flávio, no vídeo.

Ribeiro enviou suas felicitações ao pastor e o definiu como "grande amigo". "Que você continue sendo uma grande inspiração para todos da Igreja Assembleia de Deus", disse o então ministro.

A gente não faz nada sozinho. Se não fosse pessoas como o senhor, certamente a nossa batalha diária, a nossa guerra na disputa do poder em Brasília seria muito mais complicada."
Flávio Bolsonaro (PL-RJ), senador

Damares Alves, ex-ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos, agradeceu o pastor em 2020. "O Brasil agradece tudo o que o senhor tem feito", disse.

Entenda o caso

A atuação dos pastores Gilmar e Arilton no MEC foi publicada inicialmente pelo jornal O Estado de S. Paulo. A dupla participou de agendas do ministério e do FNDE mais de cem vezes.

Os recursos liberados às administrações municipais saem do FNDE —e são usados em obras de escolas, quadras e na compra de equipamentos eletrônicos. Na época, o UOL apurou que a orientação de consultores do FNDE a representantes de prefeituras era que eles fizessem suas solicitações de verbas com o apoio de um parlamentar.

A cidade de Centro Novo (MA), por exemplo, conseguiu a liberação de R$ 300 mil relacionada a uma obra de R$ 3 milhões aprovada no início deste ano. O prefeito da cidade, Junior Garimpeiro, foi responsável por organizar um encontro de prefeitos do estado do Maranhão com o então ministro da Educação. Na ocasião, o pastor Gilmar também esteve presente.

Desde a exoneração de Ribeiro, o Congresso o convida para prestar esclarecimentos para comissão de Educação. Nem ele, nem os dois pastores citados diretamente compareceram nas audiências realizadas pela Câmara e Senado.