PUBLICIDADE
Topo

Enem

Enem 2021: Estudantes relatam apreensão com temas censurados e ditadura

Do UOL, em São Paulo, e colaboração para o UOL, em Maceió, Manaus, Balneário Camboriú, São Paulo e Rio*

21/11/2021 12h41Atualizada em 21/11/2021 14h24

A estudante do 3° ano Nayane Assis, 17, diz que veio fazer a prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) hoje mais nervosa do que esperava.

Segundo a jovem de Maceió, as últimas notícias de que questões da prova podem ter sido censuradas, e as demissões no Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), responsável pela aplicação, elevaram sua tensão.

"Isso me assustou demais isso, principalmente pelo fato de trocarem golpe por revolução. Isso me deixou nervosa, confusa e preocupada", diz. "Todos nós sabemos que foi golpe e, se o presidente pediu para trocar, é porque viu a prova, e isso é bastante preocupante."

Ela conta que, por conta das notícias, decidiu reforçar os estudos sobre a ditadura militar. "Me preparei de última hora sobre isso, fiquei repetindo bastante que foi golpe. Decorei algumas partes também importantes", diz a jovem, que quer cursar psicologia.

A jovem, que é aluna de escola pública, diz que teve a preparação prejudicada pela pandemia, já que as aulas presenciais só foram retomadas em agosto.

"A preparação foi um pouco complicada por faltarem aqueles cursinhos preparatórios. Mas, com a volta das aulas presenciais, a escola se dedicou bastante, e a preparação foi bastante boa", diz a aluna da escola Moreira e Silva, em Maceió, onde também irá prestar o Enem.

Nayane foi acompanhada pela mãe, Niranilde Assis de Jesus, 60, que é aposentada. "Moro aqui perto, vim dar força a ela e vou voltar para buscar ao fim da prova", conta.

No colégio Augusto Maia em Itaquera as estudantes Julia Silva e Geovana Santos, de 18 anos, afirmaram que as questões ideológicas do governo podem alterar o conteúdo do Enem deste ano.

"Acho que vão surgir temas como a ditadura militar, mas relacionado a algo positivo. Isso é ruim porque induz o pensamento das pessoas", diz Geovana.

joao - Marcela Lemos/UOL - Marcela Lemos/UOL
21.nov.2021 - O estudante João Pedro Soares, antes de entrar para fazer o Enem na PUC do Rio
Imagem: Marcela Lemos/UOL

Sentado no meio fio da calçada à espera da abertura dos portões da PUC-Rio, um dos locais de aplicação do Enem, o estudante João Pedro Soares, 19, diz que não está preocupado com a possibilidade de se deparar com um conteúdo "com a cara do governo [Bolsonaro]", como citou o presidente da República em referência ao exame recentemente.

"Acho que não vai interferir em muita coisa. Podem mudar uma palavra ou outra, mas a gente sabe a verdade. A gente estudou", diz candidato ao Enem em referência suposta mudança do termo ditadura militar para regime militar.

Ele fará seu primeiro Enem. Terminou o ensino médio no ano passado, mas não se sentiu confiante para a edição de 2020, que aconteceu em janeiro deste ano. Ele tenta ser aprovado no curso de geologia e concluiu o ensino médio em uma escola particular no Rio.

Thaisnara Ferreira, 19, fará prova no local em que cursa o 3° ano, na escola Moreira e Silva, em Maceió.

"Desde agosto, as aulas voltaram e ajudou muito. Procurei não focar nas notícias do Inep. Vi que estavam ocorrendo saídas [as exonerações de funcionários do instituto], mas acredito que a prova será boa e vou conseguir passar", diz a jovem, que quer ser relações públicas.

louise - Letícia Mutchnik/UOL - Letícia Mutchnik/UOL
21.nov.2021 - Louise Ferreira, 19, usa camiseta com os dizeres "Fogo nos racistas"
Imagem: Letícia Mutchnik/UOL

Louise Ferreira, 19, que não fez o vestibular no ano passado por depressão e ansiedade, disse estar pronta para a prova de 2021.

Com camiseta com os dizeres "Fogo nos racistas", a jovem afirmou ter ficado com medo dos pronunciamentos de Jair Bolsonaro (sem partido) sobre a prova, mas vê a educação como "mais forte do que o governo".

Para ela, manifestações políticas na prova gerariam um "grande escândalo".

"A nossa geração está bem por dentro e estamos querendo mudar o Brasil do nosso jeito, mesmo que só um pouquinho. Esse governo do Bolsonaro já era", afirma.

* Com reportagem de Letícia Mutchnik, Carlos Madeiro, Hygino Vasconcellos, Aliny Gama, Marcela Lemos, Beatriz Mazzei e Rosiene Carvalho.

Enem