O verme da banalização do mal e as pessoas de bem

Guilherme Perez Cabral

Guilherme Perez Cabral

  • Reprodução/123coolpictures

O verme da violência, do ódio, do desrespeito ao outro e da banalização de tudo isso come as pessoas aos pouquinhos. Não é assim, de repente, depois de uma tranquila noite de sono, dormindo com os anjos num Brasil democrático, acordamos no Regime Militar ou na Alemanha Nazista.

Definitivamente, o golpe empresarial-militar de 1º de abril 1964 não começou na noite de 31 de março. A violenta intolerância que marcara as décadas que seguiram, sob uma ideologia maligna sobre a família, tradição e propriedade, já nos consumia há tempos.

Nosso Estado de direito, a Constituição, as leis, o que conseguimos aprender sobre democracia e tudo aquilo que ainda podemos chamar de "civilização", é verdade, tem o lado negativo. Encoberta ainda um monte de injustiça social. Mas tem seu lado positivo também, ao represar e domesticar, em alguma medida, a agressividade que habita em nós.

É melhor, por isso, preservar essa barragem moral de civilização, enquanto consertamos suas distorções, do que deixá-la cair. Quando rompe, percebam, não rompe de uma vez só, como em Mariana. Ela vai ruindo aos poucos. Os furos menores aumentando e se multiplicando. Até, finalmente, o mar da lama de ódio e desumanidade nos afogar.

O verme do mal já carcomeu o que havia de humanidade em muita gente. Se autodenominam, ironicamente, pessoas de bem. Elas estão raivosas, vomitando sua agressividade contra quem não atende a padrões de correção extremamente difíceis de definir.

É um exército grande e cresce. Seguem o movimento jovem ultraconservador para libertar o Brasil. Propõem renovação valendo-se dos artifícios oportunistas, autoritários e golpistas tão conhecidos da história do país. Defendem o programa da escola sem partido que só admite um partido, o próprio. Ouvem a rádio FM que interrompe a programação de música jovem (nos anos 90, tocava dance music) para, no fim do expediente, propagar discurso de ódio. Votam em político que se diz não-político para ganhar a eleição para o cargo político.

Confundem Marx com PT, Habermas com Stálin, Hegel com Engels. Integram-no muitos dos seus ex-amigos que se divertiam com você na adolescência e, hoje, "desfazem amizade" por não tolerar seu ponto de vista. Seu petista enrustido. Odeiam, com muita raiva.

Essas pessoas de bem nunca se sensibilizaram com tantas formas de violências que se repetem no cotidiano. Preferem yorkshire. E podem enxergar em fatos naturais inofensivos, como um corpo nu, a maior de todas as formas de violência.

O cenário verminoso alimenta e se alimenta dessa confusão. Não podendo distinguir na paisagem, com nitidez, a fronteira entre a civilização e barbárie, rotula-se. É mais fácil. Agride-se, então, ou não, conforme o rótulo.

Cuidado. As pessoas de bem podem estar te rodeando, agora mesmo. Você pode ser a vítima da vez. Vão te julgar, te condenar e executar a pena. No linchamento, dentre os chutes, espere o do ex-amigo que desfez a amizade. Dane-se seu direito de defesa.

Perguntaria: o que você vai fazer quando o mal se banalizar de vez? Quando, na sua frente, sem grande comoção, for praticada a maior das violências? Você vai interferir, vai quebrar o silêncio? Mas as perguntas não cabem mais. O ódio travestido de bem já se instalou. Saiu do controle. E pouco (ou nada) fizemos para barrá-lo.

Guilherme Perez Cabral

Guilherme Perez Cabral é advogado e professor, doutor em filosofia e Teoria Geral do Direito

UOL Cursos Online

Todos os cursos