Topo

Educação

Enem


Jovens choram ao perder a prova do Enem: "Foi-se um sonho"

Marina Lang e Cleber Souza e Vitor Pamplona

Colaboração para o UOL, no Rio e em São Paulo, e do UOL, em São Paulo

10/11/2019 14h10

Visivelmente emocionados, três alunos se atrasaram hoje e perderam a prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2019 na PUC-Rio (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro), que fica na Gávea, na zona sul do Rio. Uma das estudantes chegou a passar mal por não ter conseguido chegar a tempo.

Chorando bastante, Maíza Viana, 26, contou ao UOL que quer prestar artes cênicas. Muito emocionada, ela chegou a cair no chão e ralou um de seus joelhos e uma das canelas.

"Eu acordei tarde, o celular não despertou. Eu vim correndo, cheguei atrasada e o portão estava fechado. Foi por um minuto. Não é justo", disse, vertendo lágrimas. "Eu me planejei, passei o ano todinho estudando sem sair de casa. Foi-se um sonho", lamentou.

"Foi por um minuto. Não é justo", disse Maíza Viana após perder a prova do Enem - Marina Lang/UOL
"Foi por um minuto. Não é justo", disse Maíza Viana após perder a prova do Enem
Imagem: Marina Lang/UOL

"Pelo Enem eu ia conseguir, não tenho condição de pagar faculdade. Não tenho condição de pagar, o Enem é o acesso para a gente que é pobre. Eu sou de Pernambuco, só vim aqui para estudar Artes Cênicas, que é o meu sonho", lamentou.

A reportagem solicitou a ela o seu cartão de inscrição do Enem. Ao revirar a mochila, a estudante constatou um rasgo na parte de baixo do acessório e não conseguiu localizar os seus documentos, inclusive carteira de identidade. "Perdi tudo", declarou.

Aguêro Orlanda chegou ao local de prova um minuto após o fechamento dos portões e perdeu a prova do Enem - Marina Lang/UOL
Aguêro Orlanda chegou ao local de prova um minuto após o fechamento dos portões e perdeu a prova do Enem
Imagem: Marina Lang/UOL

Aguêro Orlanda, 25, também perdeu a prova por questão de um minuto. "Queria prestar Artes Cênicas na Unirio, mas me atrasei no ponto de ônibus", lamentou ele. "Eu poderia ter saído antes, mas não fiz. Perdi o ano, isso é muito lamentável", prosseguiu.

A reportagem não conseguiu ter acesso ao cartão de inscrição dele no Enem. Mas, nas redes sociais, o jovem fez diversas postagens na semana passada afirmando ter feito o primeiro dia de provas do exame.

O terceiro atrasado chegou no mesmo minuto em que os portões foram fechados. Ele deixou o local minutos depois após tentar argumentar um pedido de entrada e não quis falar com a imprensa.

Sob chuva em SP, candidatos se adiantam para não perder a prova

Sem dar trégua, a chuva fez com que estudantes de bairros do extremo sul de São Paulo adiantassem seus deslocamentos até a Unisa (Universidade de Santo Amaro), no bairro do Jardim das Imbuias, local onde a prova também está sendo aplicada.

Sem atrasos, pelo menos duas candidatas saíram da instituição antes mesmo do início da prova. Uma perdeu seu documento durante o percurso até o local da prova. Outra saiu chorando. Ambas não quiseram dar entrevista ao UOL.

Vacilo com o relógio

Na Universidade Nove de Julho, na Barra Funda, em São Paulo, assim que o portão fechou o jovem Lucas Ribeiro de Almeida, de 18 anos, se ajoelhou diante das grades. Cercado por repórteres e câmeras de TV, jogou uma caneta com força no chão e afirmou ter perdido a hora da prova após ter parado para comer nas proximidades. "Estava com fome, saí de casa sem tomar café e dei esse vacilo com o relógio. Um ano inteiro perdido", lamentou.

Em Maceió, no Centro Universitário Tiradentes, onde estava a reportagem do UOL, não houve atrasados.

*Colaborou Carlos Madeiro, em Maceió

Errata: o texto foi atualizado
Uma versão anterior deste texto informava incorretamente que não é possível fazer o Enem sem o número de inscrição. Na verdade, não é obrigatório apresentar o número de inscrição. A informação foi corrigida.

Enem