PUBLICIDADE
Topo

Enem

8 dicas para mandar bem nas provas dissertativas dos vestibulares

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Carolina Cunha

Especial para o UOL

12/12/2019 04h00

A segunda fase dos grandes vestibulares está chegando. Os estudantes que passaram para a segunda etapa do vestibular da Unesp irão realizar as provas dissertativas próximos dias 15 e 16, um teste que exige raciocínio, boa escrita do candidato e que não aceita chutes.

Veja as dicas de professores ouvidos pelo UOL que podem ajudar o candidato a se dar bem em uma prova.

1. Treine respostas à mão

Na hora de estudar para a sua prova, procure provas anteriores do vestibular e responda as questões por escrito. Treine sua resposta à caneta, não apenas leia os gabarito e monte respostas na cabeça. "Se possível, mostre para um professor da escola ou para um plantonista do curso pré-vestibular para ele avaliar sua resposta", diz Vera Antunes, coordenadora do Curso e Colégio Objetivo.

2. Texto de introdução da pergunta não é resposta

As questões trazem referências de apoio como um texto preliminar, imagens, charges, mapas, tabelas ou gráficos. Eles são importantes para introduzir e interpretar a proposta, mas devem ser usados como apoio. "O estudante tem que colocar a resposta de forma muito organizada e objetiva no papel. Não pode falar apenas o que diz o texto de introdução. E não adianta enrolar e copiar trechos dos enunciados, fazendo com que a resposta fique muito longa", diz Leandro Baldo, coordenador pedagógico do Oficina do Estudante.

3. Leia o enunciado com atenção

A correta interpretação do enunciado é fundamental e por isso a leitura precisa ser muito cuidadosa. "O aluno precisa perceber exatamente o que está sendo perguntado e exigido como resposta", conta Vera Antunes. A dica é buscar primeiro o verbo de comando (ex: cite, identifique, transcreva) e grifar a frase relacionada a ele.

A professora também lembra que um enunciado pode trazer mais de um comando. "É comum o aluno responder somente a metade do que foi pedido porque ele não entendeu a pergunta. Na Fuvest, por exemplo, acontece muito de uma questão pedir para explicar as causas de algum fenômeno e citar exemplos. Então são duas perguntas no que parece uma".

4. Escreva de forma objetiva

A prova traz um espaço limitado para as respostas. Escrever mais do que o necessário compromete as linhas da página e muitas vezes a escrita pode ser redundante. "Quando o estudante coloca mais informações do que o solicitado, isso pode ser interpretado como um não entendimento do que está sendo pedido. O corretor vai avaliar apenas o que foi pedido", diz Edmilson Motta, coordenador geral do Etapa.

As resoluções precisam ser diretas e o excesso de informações não garante maior pontuação. O professor lembra ainda que a objetividade pode ajudar a melhorar o tempo de prova.

5. Letra legível e português correto

Letra ilegível ou garranchos podem descontar pontos. "O estudante deve lembrar que o corretor é uma pessoa que irá corrigir milhares de provas em um curto espaço de tempo. Uma reposta desorganizada ou ilegível pode implicar facilmente em notas baixas", conta Fernando da Espirito Santo, gerente de inteligência educacional e avaliações do Sistema Poliedro.

Ele lembra que escrever em letra de forma ou cursiva não faz diferença, o importante é que ela esteja legível. Outra dica é escrever seguindo a norma culta da Língua Portuguesa. Erros de ortografia, erros gramaticais e escrita informal também podem tirar pontos. A escrita não precisa ser rebuscada, mas deve trazer clareza.

6. Argumente com consistência e coerência

Um erro comum é o candidato saber a resposta correta, mas não consegue transmitir seu raciocínio de forma coerente. "Dê uma resposta completa e organize o raciocínio lógico. O candidato precisa saber colocar bem suas ideias com fatos, conceitos ou dados que servirão para resolver de maneira adequada esse tipo de avaliação", diz Leandro Baldo.

A ordem é justificar sua resposta com argumentos sólidos e consistentes, com informações que comprovem as ideias e o resultado que você apresentou. Uma dica é usar conectivos como "portanto", "dessa forma", assim", que ajudam na argumentação.

Para Jéssika Anastácio, coordenadora de Avaliações Educacionais do Sistema Poliedro, a prova de humanas costuma trazer questões em que a abordagem dos conteúdos é feita com base na análise dos contextos de situações ou acontecimentos recentes. Por isso, o candidato precisa estar bem informado.

Jéssika também lembra também que as questões relacionadas à literatura, geralmente pedem uma fundamentação além da narrativa. " É indispensável que o aluno faça uma análise bem consistente da obra, pois é a partir dela que ele conseguirá formular sua resposta. Mesmo que a resposta exija apenas interpretação, geralmente ele precisa também estabelecer uma relação com um determinado contexto histórico".

7. Questões de exatas devem vir com o passo a passo

As questões dissertativas de exatas devem vir com os cálculos (ou a explicação do seu raciocínio) mostrando como você chegou ao resultado. Se você colocar só a resposta final, pode ser até que ela seja anulada por não apresentar justificativa. "O passo a passo é muito importante para o corretor entender o raciocínio utilizado pelo estudante. Jamais colocar só a resposta final, suprimindo uma passagem importante do exercício", lembra Leandro Baldo.

Fernando da Espírito Santo ressalta que nem sempre a questão vai pedir uma resposta em números. "Outro ponto importante a ser considerado é que nem tudo necessita ser justificado com expressões algébricas. Quando necessário e conveniente, o estudante deve lembrar que pode escrever pequenas orações para explicar o seu raciocínio".

Uma dúvida comum é se o candidato deve fazer as contas direto na resposta ou primeiro fazer um rascunho para depois passar a limpo. O professor Edmilson Motta recomenda atenção. "Fazer direto pode ajudar a ganhar tempo, mas, no caso de questões que envolvem muita manipulação, o vestibulando correrá o risco de cometer algum erro, se não for organizado. Portanto, a estratégia dependerá do nível de organização do candidato".

8. Questões com mais de um item

As questões de alguns vestibulares podem estar divididas por mais de um item. "Em geral, a questões da segunda fase da Fuvest, por exemplo, possuem mais de um item de pergunta e vale ficar atento para não esquecer de responder a todas as perguntas, além de considerar o espaço disponível para responder tudo", diz Fernando da Espiritu Santo.

As perguntas em itens geralmente possuem graus diferentes de dificuldade. "Em uma prova dissertativa, tanto de Humanas como de Exatas, as questões geralmente são divididas em itens - o item A, que é mais direto, para todos pontuarem, e o item B, que pode ser mais difícil. Nas Exatas, isso costuma ser mais perceptível", lembra Edmilson Motta. Para ele, o estudante não precisa acertar tudo, mas deve aproveitar a divisão de itens e se esforçar para ganhar algum ponto.

Enem