PUBLICIDADE
Topo

Enem

Bolsonaro defende Weintraub e pede calma para decidir se adia Enem

Do UOL, em São Paulo

20/05/2020 09h09

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) defendeu hoje o trabalho de Abraham Weintraub à frente do ministério da Educação e pediu calma aos que pedem o adiamento do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) por causa da pandemia do novo coronavírus. A fala aconteceu durante conversa com apoiadores nesta manhã na portaria do Palácio da Alvorada e antes de o ministro sugerir o adiamento do exame, marcado para novembro, pelo período de 30 a 60 dias.

Quando uma apoiadora lhe pediu que "olhasse para a educação do país", Bolsonaro disse que "muita coisa já mudou" e que, por isso, Weintraub é um dos ministros mais atacados do governo.

"Nos últimos 30 anos destruíram a educação no Brasil. Muita coisa já mudou na educação, não à toa que o ministro da Educação é um dos mais atacados. A partir do momento que é atacado por essa mídia que está ai, é sinal de que está fazendo a coisa certa", disse o presidente.

Sobre o Enem, Bolsonaro respondeu que "temos que ouvir os que estão fazendo a prova" sobre a possibilidade de adiamento.

"Depois que adia você não sabe quando. Tem pedido da Câmara, parlamentares que querem adiar, outros não. Você quer que as eleições sejam adiadas também? Vamos esperar um pouquinho mais, é muito cedo. Estamos em maio, é em novembro. Vamos esperar um pouquinho mais para tomar a decisão. Vamos ver como se comporta?", disse.

O Senado aprovou ontem o projeto de lei que adia a aplicação do Enem de 2020 e de demais processos seletivos de acesso à educação superior, como vestibulares, devido à pandemia do novo coronavírus. O texto segue agora para votação no plenário da Câmara dos Deputados.

Em postagem no Twitter na manhã de hoje, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, sugeriu que o Enem seja adiado por 30 ou 60 dias.

"Diante dos recentes acontecimentos no Congresso e conversando com líderes do centro, sugiro que o Enem seja adiado de 30 a 60 dias. Peço que escutem os mais de 4 milhões de estudantes já inscritos para a escolha da nova data de aplicação do exame", postou.

Enem