PUBLICIDADE
Topo

Esse conteúdo é antigo

SP anuncia contratação de mil psicólogos para alunos e professores

Medida anunciada por João Doria visa ajudar alunos e professores por causa da pandemia - DEYVID EDSON/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO
Medida anunciada por João Doria visa ajudar alunos e professores por causa da pandemia Imagem: DEYVID EDSON/FUTURA PRESS/FUTURA PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO

Do UOL, em São Paulo

02/09/2020 13h09

O governo de São Paulo anunciou hoje um novo programa para ajudar no equilíbrio emocional de alunos, professores e servidores da rede estadual de ensino no contexto da pandemia do novo coronavírus. João Doria (PSDB) disse que a administração estadual já contratou mil profissionais no âmbito do programa Psicólogos da Educação.

"É o maior número de psicólogos contratados por um governo estadual ou federal em qualquer tempo. Uma licitação foi feita e conduzida pela Secretaria de Educação para estes psicólogos atenderem 3,5 milhões de estudantes e 250 mil professores e servidores do estado de São Paulo", afirmou o governador durante entrevista coletiva no Palácio dos Bandeirantes.

Segundo Doria, pesquisas recentes têm demonstrado que alunos e professores estão sofrendo transtornos psicológicos por causa da pandemia. As aulas presenciais seguem suspensas no estado desde março e o planejamento é que a partir do dia 8 de setembro sejam retomadas apenas atividades de reforço.

"Pesquisas de opinião demonstram que 75% dos alunos e 50% dos professores tiveram alterações emocionais causadas pela pandemia", afirmou o governador, explicando também que os atendimentos psicológicos se darão inicialmente à distância.

"Os atendimentos serão feitos inicialmente por videoconferência, remotamente, como determina o Centro de Contingência (da covid-19)", disse Doria. "O suporte de psicólogos já era uma demanda histórica, mas se tornou ainda mais necessário diante da pandemia", acrescentou.

Escolas fazem planejamento

O secretário de Educação de São Paulo, Rossieli Soares, explicou melhor como funcionará o programa e disse que as escolas serão responsáveis por planejar como será usado o tempo disponível dos profissionais contratados pelo programa.

"A escola faz o planejamento do uso do psicólogo. Se uma escola tiver uma necessidade específica (pode apontar), mas em geral parte do próprio planejamento", afirmou o secretário. "Uma escola pequena, que vai ter cinco horas semanais de atendimento, pode ser usada para formação, orientação, para melhoria do próprio planejamento, e para um caso pontual."

Soares também orientou pais a procurarem a escola para se utilizarem do programa caso identifiquem algum provável caso de abuso dos seus filhos.

"Se identificou alguma coisa de um abuso, o psicólogo pode ajudar? A própria escola dirá. Se o pai sentir necessidade, ele logicamente já procura a escola", disse o secretário estadual.