PUBLICIDADE
Topo

Enem

Conteúdo publicado há
15 dias

MP recomenda que Inep não crie comissão para revisão ideológica do Enem

Órgão do Ministério Público Federal recomenda que Inep abandone proposta para criação de comissão permanente para a revisão ideológica de questões do Enem - Arte/UOL
Órgão do Ministério Público Federal recomenda que Inep abandone proposta para criação de comissão permanente para a revisão ideológica de questões do Enem Imagem: Arte/UOL

Do UOL, em São Paulo

04/10/2021 08h28Atualizada em 04/10/2021 08h45

O Ministério Público Federal, por meio da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, encaminhou na sexta-feira (1º) uma recomendação ao Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa Anísia Teixeira) para que o órgão abandone a proposta de criar uma comissão para a revisão ideológica das questões do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio).

Os procuradores consideram que a proposta de "neutralidade ideológica" pode esconder um conjunto de ideias contrárias ao pluralismo de ideias e à liberdade de expressão.

Para a procuradoria, os critérios a serem usados como parâmetro de controle das questões do Enem configurariam uma censura prévia, além de se assemelhar com o projeto "Escola sem Partido", que foi declarado inconstitucional pelo STF (Supremo Tribunal Federal).

Segundo a recomendação, já existe um amplo processo de controle e avaliação dos itens da prova do Enem, "suficientes para garantir a devida correção e precisão das informações mobilizadas pelo elaborador". São citados a revisão técnico-pedagógica e o aconselhamento de um painel de especialistas, composto por professores com larga experiência.

A criação de órgão adicional para fazer tal controle mostra-se desnecessária para alcançar os fins propostos, intervindo desproporcionalmente no pluralismo de ideias e liberdade de expressão que devem pautar o Enem.
Trecho da recomendação da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão

A recomendação segue a análise de uma portaria obtida pelo Ministério Público após questionamentos sobre a existência de processos administrativos internos que discutiam a criação de uma comissão permanente de revisão.

Na portaria, o Inep escreve que a prova objetiva do Enem deve "abster-se de itens com vieses político-partidários e ideológicos, observada a pluralidade de concepções e opiniões" e que a mencionada comissão não poderia permitir questões subjetivas na avaliação.

O Inep tem cinco dias úteis, contados a partir da sexta-feira (1º), para informar ao Ministério Público se seguirá ou não a recomendação. A ausência de uma resposta será interpretada como recusa, passível da adoção de medidas judiciais.

Enem