Topo

Maranhense que dá aula para crianças carentes vira jovem embaixadora

Arquivo Pessoal
Imagem: Arquivo Pessoal

Lucas Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

09/11/2015 06h00

A maranhense Cindyneia Cantanhêde tem apenas 17 anos, mas já fez muito para contribuir com a educação brasileira. Trabalhou com projetos de incentivo à leitura, deu aulas de reforço escolar e agora leciona inglês para crianças carentes. Por tudo isso, foi selecionada no programa Jovens Embaixadores, iniciativa que leva 50 jovens entre 15 e 18 anos para um intercâmbio nos Estados Unidos.

"Não entendia por que as escolas do meu bairro eram tão precárias. Por isso, o desejo de contribuir para a melhoria da educação do meu país, principalmente das escolas da zona rural, sempre foi o meu principal sonho. E comecei a realizá-lo através do trabalho voluntário", conta.

As aulas para as crianças acontecem todos os sábados, no bairro Jacarati, em São Luís (MA). "O futuro parece muito incerto para elas, e 'sonhar alto' nem sempre é possível, mas sei que posso ajudá-las a encontrar a si mesmas e não limitar seus sonhos", diz. Além de lecionar, Cindyneia faz atividades humanitárias para a comunidade, como doações, café com moradores de rua, passeatas e palestras.

“O trabalho voluntário mudou a minha vida. Sou grata pela oportunidade de contribuir para o crescimento social da minha comunidade, pelas dificuldades que enfrentei, porque elas me tornaram consciente do meu papel como cidadã, e por ater a honra de conviver com pessoas que me fazem acreditar que eu posso ajudar a mudar o mundo”, avalia.

Cindyneia cresceu numa comunidade rural. Filha de metalúrgico e de uma dona de casa, a jovem chegou a acordar às 5h, ainda pequena, para ir à escola, que ficava no centro de São Luís. "Minha mãe ficava esperando a gente sair, porque não dava tempo para ir em casa e voltar para nos buscar", conta. Os pais da estudante sempre lutaram para que tivesse a melhor educação possível. Por isso, ela conseguiu fazer aulas de violão clássico, de canto e de esporte como bolsista.

Além do Jovens Embaixadores, a estudante foi selecionada pelo programa Jovem Senador (terá oportunidade de criar um projeto de lei), fez parte da Seletiva Nacional do Parlamento Juventil do Mercosul (debateu propostas para a melhoria do sistema educacional dos países do bloco) e desde 2014 é a representante dos alunos maranhenses no programa Pacto pelo Fortalecimento do Ensino Médio.

Mais Educação