PUBLICIDADE
Topo

Professores municipais do Rio fazem enterro simbólico da educação

Vladimir Platonow

Da Agência Brasil, no Rio

09/10/2013 17h37

Professores da rede de ensino municipal fizeram um enterro simbólico da educação, na entrada principal da Central do Brasil, ao lado da sede da Secretaria de Estado de Segurança nesta quarta-feira (9). Os manifestantes levaram cruzes pretas e uma coroa de flores e se deitaram no chão, em sinal de luto.

O magistério municipal está em greve desde 8 de agosto. Em assembleia hoje, os professores decidiram manter a paralisação. Eles são contra o novo plano de cargos e salários enviado pela prefeitura à Câmara de Vereadores, aprovado no último dia 1º. No dia da votação, a sede do Legislativo municipal precisou ser boqueada por cercas e por um grande número de policiais, o que deixou as galerias vazias. Houve atos de violência contra os professores.

Enquanto os manifestantes protestavam na rua, a ministra da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Maria do Rosário, se reunia com o secretário estadual de Segurança, José Mariano Beltrame, para tentar encontrar uma forma de se evitar a violência da Polícia Militar contra os educadores.

Greve municipal

Segundo o Sepe (Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação), para continuar as negociações com a prefeitura, eles pedem a revogação do plano de carreira - aprovado no dia 1º pela Câmara Municipal em meio a protestos. O texto foi sancionado pelo prefeito Eduardo Paes no dia 2 de outubro.

Ontem (8), o prefeito Eduardo Paes disse que vai descontar o ponto dos profissionais da educação que estão em greve. O corte será desde o dia 3 de setembro. A medida ocorre depois que o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro negou o recurso do sindicato contra a liminar que obrigava os professores a voltar às salas de aula, sob pena de multa diária de R$ 200 mil para entidade.

Na segunda (7), um grande ato em apoio aos professores das redes municipal e estadual reuniu cerca de 10 mil pessoas no centro do Rio. O protesto, que começou pacífico, terminou com confrontos e depredações.