PUBLICIDADE
Topo

Análise: ao se defender, Weintraub coloca em xeque credibilidade do Enem

Ana Carla Bermúdez

Do UOL, em São Paulo

11/02/2020 17h55

Resumo da notícia

  • Ministro disse que no passado também aconteceram problemas no Enem
  • Fala de Weintraub coloca em dúvida a credibilidade do exame

Sem apresentar provas, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse hoje que os erros na correção do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) 2019 "provavelmente" aconteceram no passado, colocando em xeque a credibilidade de edições anteriores do exame.

"Aparentemente —eu não tenho como afirmar—, mas pelas informações que eu tive na gráfica, é um problema que já aconteceu inclusive no passado. Só que entrou na estatística", disse Weintraub. "As pessoas que foram afetadas por esse tipo de problema foram lesadas, se aconteceu no passado, e nem tomaram conhecimento", completou o ministro.

As declarações foram dadas hoje durante uma audiência da Comissão de Educação do Senado, que convidou o ministro a prestar esclarecimentos sobre os erros na correção do exame.

Problemas no passado

Edições anteriores do Enem, de fato, tiveram problemas. Em 2009, ano em que o Enem foi reformado para ganhar ares de vestibular nacional, a prova vazou. O MEC, à época sob gestão de Fernando Haddad (PT), teve de cancelar o exame.

Outros problemas foram registrados nos anos seguintes. Nenhum deles envolveu, no entanto, a etapa de correção das provas objetivas do Enem —a falha, que atingiu 5.974 candidatos, é a maior do exame desde 2010, como mostrou uma reportagem da Folha de S. Paulo.

"Ele [Weintraub] não sabe do que está falando. É muita leviandade uma afirmação como essa", diz Maria Inês Fini, que presidiu o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), órgão do MEC responsável pelo Enem, entre 2016 e 2019. Fini diz que, em sua gestão, não houve erro como o apresentado na de Weintraub.

Para ela, a declaração do ministro é irresponsável e agride a credibilidade do exame, além de contribuir para a insegurança jurídica sobre a prova. "A história do Enem e do Inep não merecem isso", diz ela.

Ministro da Educação diz que houve pretensão de paralisar Enem

UOL Notícias

Resultados errados

O imbróglio envolvendo os resultados do Enem de 2019 teve início logo após a divulgação das notas, no dia 17 de janeiro. Candidatos foram às redes sociais para dizer que estranhavam os resultados. Um dia depois, o MEC (Ministério da Educação) admitiu ter divulgado parte das notas com erros.

Segundo o ministro, os 5.974 candidatos que receberam os resultados errados foram afetados por um problema que teria acontecido na gráfica Valid, responsável pela impressão da prova.

Após os erros no Enem, a liberação da lista de aprovados do Sisu chegou a ser suspensa pela Justiça. Considerado um dos principais meios de acesso ao ensino superior no Brasil, o Sisu seleciona candidatos com base nas notas do Enem.

O governo conseguiu reverter a suspensão do Sisu no STJ (Superior Tribunal de Justiça), mas ainda há dezenas de ações judiciais pelo país questionando os resultados do Enem.

"Engasgou"

No Senado, Weintraub voltou a afirmar que a impressora da gráfica "engasgou" e, por isso, houve um "descolamento" entre os cadernos de prova e os respectivos gabaritos, o que fez com que provas de uma cor fossem corrigidas com o gabarito de outra.

"Quando nós falamos 'ó, deu esse descolamento', o que a gente escutou é que acontece. Esse é um tipo de coisa que eventualmente acontece. Então, não dá para afirmar que sim nem que não, mas eu diria que esse tipo de problema pode ter acontecido sim no passado", disse.

Apesar de afirmar que há uma relevância individual para os afetados pelo erro, Weintraub minimizou o impacto do problema sobre o exame. "Isso aconteceu com 5.974 pessoas, mas, na prática, tirando os treineiros, foram 5.100 pessoas", disse ele.

Os treineiros, aqueles que fizeram o exame sem ter concluído o ensino médio, receberão suas notas do Enem em março.

"Qual é a quantidade de pessoas? 5.100. Em um universo de 4 milhões, elas individualmente são relevantes. Mas, estatisticamente, o impacto na nota média, de corte, é inexistente, ele tende a zero", declarou o ministro.

Mais uma vez, Weintraub afirmou ter feito o "melhor Enem de todos os tempos". "Eu não prometi que seria, mas foi o melhor Enem", disse, ignorando uma série de percalços: ainda em 2019, a gráfica que era responsável pela impressão do Enem declarou falência, e uma nova foi contratada com dispensa de licitação; uma foto da prova de redação vazou durante a aplicação do exame; e, já em 2020, após a Justiça proibir a divulgação do Sisu, uma lista de aprovados no programa foi vazada.

Enem