PUBLICIDADE
Topo

Professores decidem manter greve na rede municipal do Rio

Do UOL, em São Paulo

09/10/2013 14h11Atualizada em 09/10/2013 15h54

Mais sobre a greve e os protestos do Rio

  • Ricardo Moraes/Reuters

    Na noite de 7 de outubro, cerca de 10.000 se reuniram em protesto no Rio

  • Carlos Cecconello/Folhapress

    Com professores em greve, alunos do RJ estudam sozinhos para o Enem

  • J. Duran Machfee/AE

    Funcionário do Masp pinta parede pichada durante protesto em São Paulo

Os profissionais da rede municipal da educação do Rio de Janeiro decidiram, em assembleia realizada na tarde desta quarta-feira (9), continuar em greve. A paralisação começou em 8 de agosto e chegou a ficar suspensa por dez dia em setembro.

 

Segundo o Sepe (Sindicato Estadual dos Profissionais de Educação), cerca de 5.000 profissionais participaram a assembleia nesta quarta.

Por volta das 14h, a categoria começou uma passeata em direção à sede da prefeitura. A avenida Presidente Vargas chegou a ficar bloqueada, mas foi liberada por volta das 16h.

Para continuar as negociações com a prefeitura, eles pedem a revogação do plano de carreira - aprovado no dia 1º pela Câmara Municipal em meio a protestos. O texto foi sancionado pelo prefeito Eduardo Paes no dia 2 de outubro.

Ontem (8), o prefeito Eduardo Paes disse que vai descontar o ponto dos profissionais da educação que estão em greve. O corte será desde o dia 3 de setembro. A medida ocorre depois que o Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro negou o recurso do sindicato contra a liminar que obrigava os professores a voltar às salas de aula, sob pena de multa diária de R$ 200 mil para entidade.

Na segunda (7), um grande ato em apoio aos professores das redes municipal e estadual reuniu cerca de 10 mil pessoas no centro do Rio. O protesto, que começou pacífico, terminou com confrontos e depredações.