A desumanidade na escravidão

NOTA 0,0

A escravidão é algo que não está destacado na sociedade atual tendo como consequência a inocência das pessoas sobre esse tema, fazendo assim com que elas pensem na escravidão apenas como um conceito historico histórico.

Um dos grandes problemas da escravidão, também podendo ser visto como uma consequência, é a desigualdade social que ela provoca. Ela é a que faz com que a maioria das pessoas sejam vitímas do trabalho escravo.

A maior desumanidade na escravidão está no fato de a maioria dos escravos serem crianças privando-as de estudar e de se alfabetizarem se tornando adultos, geralmente, pobres e sem nenhuma estrutura para o mundo sendo assim vitímas vítimas das desigualdades sociais.

A escravidão, ao contrário do que muitos pensam, não afeta somente o escravizado, afeta também as pessoas que compram coisas de origem escrava escrava, pois elas acabam influênciando influenciando a escravidão mesmo que indiretamente.

Além de influênciar influenciar a desigualdade social, a escravidão mostra que mesmo sabendo não ser o certo, alguém se julga auto suficiente autossuficiente o bastante para tirar a liberdade de um semelhante para o próprio benefício, o que é desumano.

Comentário geral

Texto muito fraco, tanto em termos de linguagem como em termos de conteúdo. Não é uma dissertação, mas um conjunto de declarações que não se conectam de modo a formar de fato um texto. Não há coesão, nem coerência. Todas as declarações são ingênuas ou simplórias, encontrando-se muito aquém do repertório cultural que se espera de um estudante do ensino médio.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: como assim, a escravidão não é destacada? Que tipo de destaque ela merece? O próprio fato de uma organização estimar que há cerca de 45 milhões de escravo no mundo e isso vir a público nos meios de comunicação desmente essa suposta falta de destaque. Inocência parece ter sido usado como um eufemismo para ignorância, mas o próprio pensamento que está por trás da frase é ingênuo. Inocência é pensar que quem ignora o que se passa no mundo atual é um simples inocente, em vez de alienado, ignorante, mal informado.

2) Segundo parágrafo: a) um problema que é ao mesmo tempo sua própria consequência é uma noção que afronta os mais básicos pressupostos da lógica. Mas a afirmação final consegue ser ainda mais absurda, por dizer que a escravidão faz a maioria das pessoas serem escravas. Ora, sem escravidão, não há escravos. De resto, felizmente, a maioria da população do mundo não é escrava.

3) Terceiro parágrafo: a afirmação não apresenta seus fundamentos. Quem disse que as crianças são a maioria dos escravos? De onde o autor inferiu essa conclusão? Não bastasse isso, dizer que essas crianças escravizadas deixam de ser escravas para se tornarem adultos pobres não faz o mínimo sentido. É como se o escravo fosse emancipado ao atingir ao maioridade. Os pobres serão mais vítimas das desigualdades sociais do que os escravos? É evidente que não. O que é ter uma estrutura para o mundo? Infelizmente, o autor não consegue expressar os pensamentos que formula, pensamentos esses que são ingênuos e superficiais.

4) Quarto parágrafo: para entender o raciocínio que o autor tenta formular, o leitor precisaria descobrir o que exatamente é chamado de influenciar. Aparentemente, trata-se de estimular, incentivar, acumpliciar-se. Ou seja, quem compra produtos feitos por escravos colabora com a escravidão. Resta saber se os produtos feitos por escravo trazem etiqueta informando aos compradores: produto de trabalho escravo! É surrealismo.

5) Quinto parágrafo: quem escraviza alguém não precisa se julgar autossuficiente. É difícil saber o que pensa ou sente um escravizador, mas não se trata disso. Trata-se de um crime previsto no Código Penal e em outras leis brasileiras e internacionais.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 0,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,0
Nota final 0,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos