A face obscura da internet

NOTA 10,0

Uma das maiores preocupações dos pais, nos últimos anos, é encontrar maneiras para proteger seus filhos contra os perigos da internet, já que a facilidade para acessar este ambiente e disseminar informações de forma indiscriminada pode trazer consequências muito negativas à vida de crianças e adolescentes.

Prova disso é a quantidade crescente de jovens que sofrem "bullying" ou que tem sua intimidade exposta através da internet, levando muitos deles a caírem em depressão ou até mesmo a cometerem suicídio, tamanho o impacto que tais ataques têm em suas vidas. Os agressores, na maioria dos casos, também são jovens e fazem parte do círculo social da vítima, sendo que muitos não tem têm plena consciência do mal que estão praticando. O anonimato propiciado pela internet também facilita a ação de pedófilos que criam perfis falsos nas redes sociais para se aproximarem de crianças, incitando-as a compartilharem fotos e vídeos para satisfazer seus desejos pervertidos.

Neste cenário, muitos pais perguntam sobre qual a melhor maneira de defender seus filhos, já que é difícil impedi-los de acessarem a internet através de computadores e celulares, dada a ampla disponibilidade de tais aparelhos. Forçá-los a fornecer senhas de redes sociais ou instalar filtros nos navegadores não é o suficiente, pois muitos dão um jeito de burlar as regras impostas por seus pais. O melhor caminho, portanto, ainda é dialogar com os filhos sobre a importância do respeito ao próximo e da preservação da própria intimidade ao usar a internet, alertando-os sobre as ameaças ocultas no vasto universo cibernético.

Por fim, a sociedade não pode esperar que a tarefa de proteger crianças e jovens contra os perigos da internet seja feita apenas pelas escolas e pelo poder público. É fundamental que os pais estreitem os laços de confiança e amizade com seus filhos, pois o diálogo em família ainda é a melhor arma para diminuir o número de vítimas e agressores no mundo virtual.

Comentário geral

Texto muito bom, bem redigido, com clareza e raciocínio lógico, que segue com exatidão os padrões exigidos de uma dissertação escolar do ensino médio. Um único e pequeno erro de acentuação não prejudica em nada a nota. Optamos por atribuir à redação a nota máxima, fazendo só uma ressalva: o último parágrafo é uma espécie de adendo ao penúltimo, mas aquele não traz a esse nenhuma informação substancial, de modo que se o autor limitasse o seu texto aos três parágrafos iniciais já teria concluído sua redação, de modo mais "redondo" e coeso. Falar da importância dos pais no terceiro parágrafo, passar ao parágrafo seguinte dizendo que a sociedade e a escola não dão conta de proteger os filhos, pois essa tarefa é principalmente dos pais, é redundante e dispersivo.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 2,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 2,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 2,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 2,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 2,0
Nota final 10,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos