A pseudocura para uma não doença

NOTA 5,0

Nos últimos meses uma discussão tem tomado conta da sociedade brasileira, a terapia para mudar a opção sexual ou ou, como alguns a chamam a cura gay chamam, a “cura gay” Esse tipo de assunto nos faz refletir em um aspecto, se refletir: se o significado da palavra terapia, é terapia é o tratamento de doentes, como podemos tratar como doentes aqueles que não possuem nenhuma enfermidade. enfermidade?

Vivemos - não só no Brasil, mas nos quatro quantos do planeta - um processo de involução social, pessoas diferentes com pensamentos diferentes não conseguem respeitar o espaço alheio tão pouco alheio, tampouco conviver em harmonia, seja sejam essas diferenças advindas da politica, seja política, sejam de ordem religiosa ou qualquer outro tipo de pensamento incomum incomum, levam pessoas a se ofenderem verbal ou fisicamente. Por isso isso, esse tratamento tão controvertido que tem como objetivo supostamente mudar a opção sexual de uma pessoa é só mais um passo na direção da intolerância.

Embora, esse Embora esse tratamento não seja uma medida compulsória, precisa ser levado é preciso levar em consideração, quais consideração quais motivos levam uma pessoa que não está doente a buscar tratamento, talvez tratamento. Talvez este motivo possa estar relacionado ao fato de que outras pessoas afirmam isso a todo momento momento, sem nenhuma base científica que possa respaldar este tipo de afirmação afirmação, ou talvez a à violência e preconceito que esses seres humanos sofrem na rua e até mesmo dentro de suas casas. Além disso disso, essa suposta “cura gay” é uma verdadeira afronta a carta magma à Carta Magna – a Constituição Federal - pois colide diretamente com o princípio da dignidade da pessoa humana.

Portanto Portanto, esta decisão do juiz federal é uma medida equivocada, e que que deve ser revista pelo tribunal tribunal, a fim de não causar sérios prejuízos a uma parcela da sociedade que já sofre tanto preconceito.

Comentário geral

 

Texto razoável, relativamente bem escrito, cuja argumentação se fundamenta numa única ideia: a "cura gay" é gerada pela intolerância social e, por sua vez, gera mais intolerância social. Como o tom do texto é de indignação contra a intolerância, o autor não chega a analisar propriamente o tema proposto na redação, limitando-se a expressar sua aversão à intolerância. Convém notar que o único parágrafo em que ele esboça um raciocínio é o primeiro: não se pode curar o que não é doença. Nos dois parágrafos seguintes, ele apenas expõe a intolerância social que ele enxerga como causa única do problema. Na conclusão, limita-se a declarar que a sentença do juiz deve ser revista nas instâncias anteriores, para não reforçar a intolerância numa sociedade intolerante.

 

Aspectos pontuais

 

1) Primeiro parágrafo: a) o autor fala em últimos meses, o que é incorreto em termos factuais. A discussão ocorreu em setembro e desapareceu dos meios de comunicação em outubro, uma vez que foi suplantada sobre um outro debate sobre arte e pedofilia. b) Não é verdade que o tema tenha tocado à sociedade brasileira como um todo. Isso é um exagero. Ao expor a situação que é o tema da redação, o autor tem que expor os fatos com objetividade, evitando exageros retóricos.

2) Segundo parágrafo: mais um passo rumo à intolerância? Como assim? Tudo o que foi dito antes já deixa claro que a intolerância impera.

3) Terceiro parágrafo: a) Carta magma parece uma tirada da personagem Magda do programa Sai de Baixo. Para quê usar expressões que você não conhece ao certo? Além do mais, Carta Magna e Constituição são sinônimos. b) A questão não é constitucional. Tudo isso não passa de um exagero retórico do autor, que tenta convencer o leitor pela emoção e não pela razão, como exige o texto dissertativo.

 

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,0
Nota final 5,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos