A tecnologia a seu favor

NOTA 4,0

Nos séculos XVIII e XIX, um acontecimento histórico marcara a Europa, marcou a Europa: a Revolução Industrial Industrial, que teve como principal consequência a troca da manufatura pela maquinofatura. O homem começou a usufruir de novas tecnologias, e tecnologias e os operários não precisavam mais repetir o mesmo processo por horas seguidas. Agora, no século em que vivemos, a tecnologia cresceu a ponto de ocupar o lugar dos seres humanos, ora para beneficiar ora para prejudicar.

Hoje em dia é raro ver alguém que não possua ou nunca tenha visto um aparelho celular, um computador, tablets, televisores de ultima geração geração, entre outro outros eletrônicos, que por sua vez que são de um grande beneficio humano benefício para o ser humano. O Brasil esta está entre os países que mais consomem eletrônicos no mundo, já chegando a ocupar a primeira posição em alguns anos atrás tendo até ocupado a primeira posição em anos passados. Além disso, a tecnologia vem modificando a área da saúde, pois equipamentos avançados ajudam na identificação, tratamento e até cura de vários tipos de enfermidades.

Embora a tecnologia seja bastante benéfica, o mercado de trabalho está decaindo diminuindo, pois maquinas máquinas e robôs muitas vezes ocupam o lugar de seres humanos, e trazem consigo a falta de emprego humanos, gerando desemprego (principalmente em meio a crise), sem empregos à crise). Sem empregos, não a dinheiro e consequentemente gera falta de alimentos e fome. Outro valor existente é que, a que a população esta está crescendo cada vez mais, não há como sobreviver sem adquirir o seu sustento.

Em virtude dos fatos mencionados, percebe-se que o homem não pode e nem deve ser trocado por robôs, pois todos tem têm a necessidade de um bom emprego. Cabe ao governo gerir leis para que as tecnologias beneficiem beneficiem, mas não tragam transtornos a população, pois do contrario pois, do contrário, o governo terá que supri suprir todas as necessidades daqueles que precisam e isso ira irá levar a crises e movimentos sociais, pois o povo merece ter uma vida digna, se assim quiserem.

Comentário geral

Texto fraco, que começa com equívocos conceituais e históricos, prossegue apresentando argumentos pouco consistentes, para deles extrair uma conclusão específica, que não decorre necessariamente das premissas apresentadas. Por outro lado, nota-se o esforço para argumentar e seguir a estrutura de uma dissertação, bem como manter a linguagem num nível menos informal e mais próximo à norma culta. É por isso, basicamente, que a redação se salva e não recebe uma nota menor em nossa avaliação.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) essa oposição entre manufatura e maquinofatura é equivocada, o que o aluno pretende expressar é a transformação do processo produtivo artesanal para o industrial. Além disso, historicamente, foi a Revolução Industrial que fez surgir o operariado e o trabalho repetitivo em linhas de montagem. b) A última frase é muito mal escrita e personifica, involuntariamente, a tecnologia, como se ela fosse uma entidade viva, que crescesse e ocupasse literalmente o lugar de um indivíduo. Seria melhor reescrever o período todo. Por exemplo: No século em que vivemos, o desenvolvimento tecnológico é tão intenso, que seus produtos chegam até a substituir os seres humanos no mercado de trabalho, processo que pode ser tanto benéfico, como maléfico.

2) Segundo parágrafo: começa expondo fatos que, por si só, não são nem benéficos, nem maléficos, como o fato de todo mundo conhecer celulares, tablets, etc. Segundo o autor, isso é benéfico, mas ele não explica por quê? Depois, expõe o Brasil como grande consumidor dos eletrônicos, o que não contribui em nada com a argumentação. Só no final ele apresenta um benefício evidente da tecnologia, na área da saúde.

3) Terceiro parágrafo: a) Sim, sem empregos, não há dinheiro e pode haver fome, mas não necessariamente porque faltem alimentos e sim porque falta dinheiro para comprá-los. b) Se o autor já havia perdido um pouco o foco no trecho anterior, neste perdeu por completo: para começar, por valor existente, o que ele quer dizer é outro fato a ser levado em consideração. Mas o que segue não tem relação direta com isso: o fato de a população estar crescendo não implica que não há como sobreviver sem adquirir o seus sustento, pois essa última declaração tanto vale para uma população crescente, quanto para um indivíduo. Então, entre os dois fatos apresentados não há a necessária relação de causa e consequência para que a soma dos dois produza um argumento.

4) Quarto parágrafo: a) não é em virtude dos fatos mencionados que se percebe que o ser humano não deve ser trocado por robôs. É em virtude de outras considerações, de caráter moral e filosófico, das quais o autor nem sequer se aproxima. b) Até aqui ele falava de tecnologia de um modo geral. Na conclusão, restringiu-se aos robôs. Os seja falava de uma coisa ampla e passou a falar de outra coisa, mais específica. c) Gerir leis não significa fazer leis. d) É impossível fazer uma lei decretando que, de agora em diante, só se pode produzir tecnologia benéfica à humanidade. Isso é uma ingenuidade e revela incompreensão dos fatos. e) Por valor existente, o autor quer dizer outro fato a ser levado em consideração. f) Movimentos sociais não são necessariamente um problema. h) Será que existe gente que não quer levar uma vida digna? Talvez. Mas povo quiserem é um erro de concordância.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,0
Nota final 4,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos