A terceirização dará certo no Brasil?

NOTA 6,0

Há tempos no Brasil que Há muito tempo se tem discutido a questão da a terceirização no Brasil. Uma Trata-se de uma questão que diverge opiniões, de um lado divide opiniões. De um lado, há as pessoas que dizem que a privatização isso poderia diminuir o salário do trabalhador e que só beneficiaria o patrão, do outro os que dizem que a terceirização melhorará o serviço prestado e ambos seriam privilegiados. patrão. Do outro, estão os que acham que a terceirização seria benéfica para ambos, além de melhorar o serviço prestado.

A terceirização de serviços aumenta a competição no mercado mercado forçando-os a melhorar a qualidade qualidade, para atrair clientes e diminuir o preço. Um exemplo disso são os serviços não regulamentados pelo governo como "Uber, Netflix e WhatsApp" o Uber, a Netflix e o WhatsApp, que são serviços de que geralmente as pessoas gostam e que são baratos. Porém, para utilizar o WhatsApp, é necessário um plano de internet de operadora contratar o acesso à internet por meio de operadoras (que é regulada são reguladas pelo estado) e que a população em geral acha horrível. Todos os serviços em que a aprovação do governo é necessária para operar são ruins, como: como a saúde, a educação, o saneamento básico, o asfaltamento, a internet etc.. Não existe serviço regulamentado e bom no Brasil.

Outro aspecto que precisa ser discutido é: a é a questão das leis trabalhistas do Brasil. Quando o presidente do TRT diz que: que "a terceirização diminuiria o salário do trabalhador", é infelizmente uma afirmação verdadeira. Por que então países como Suíça e Austrália que aderiram à terceirização de praticamente tudo são ótimos para se viver? As regulamentações leis trabalhistas dessas sociedades não são tão absurdas como as leis quanto as do Brasil. Um funcionário que ganha dois mil reais por mês custa para a empresa na qual que ele trabalha quase o dobro, não quase o dobro para a empresa em trabalha. Não está fácil ser empresário brasileiro.

A terceirização é sim é, sim, uma boa ideia, temos ideia. Há vários países que aderiram a ela e são os melhores colocados no IDH (índice de desenvolvimento humano). Mas para que a terceirização no Brasil não se torne uma catástrofe, é necessário reformular as leis trabalhistas e deixar o mercado competir sem a interferência do governo.

Comentário geral

 

Texto razoável, regularmente redigido, que fica prejudicado pelas divagações e por uma argumentação que chega a fugir ao tema, além de equívocos conceituais. Por exemplo, o que empreendimentos como o Uber, a Netflix e o WhatsApp têm que ver com a terceirização? Essas empresas prestam serviços com custos mais baratos do que muitos de seus concorrentes, mas isso não se deve à terceirização de seus empregados. O Uber, por exemplo, conta com motoristas autônomos, sem vínculos trabalhistas com a empresa, mas que também não são contratados por outra empresa, a qual ofereceria essa mão de obra ao Uber. Igualmente, a terceirização não se dá somente na área de prestação de serviços, mas principalmente na indústria e o que está sendo aprovado pelo governo em 2017 é a possibilidade de as indústrias terceirizarem empregados para sua atividade-fim. São problemas como esses que nos levam a diminuir a nota das três últimas competências. O que está apontado em vermelho se relaciona com esses problemas. Em verde, há correções de erros gramaticais de pouca importância e sugestões para tornar o texto mais claro e aprimorá-lo estilisticamente.

 

Aspectos pontuais

 

1) Primeiro parágrafo: as palavras em vermelho expressam conceitos equivocados ou uma compreensão incorreta dos textos da coletânea. Privatização não é terceirização. A privatização não se refere só aos serviços, mas principalmente às indústrias. Ninguém considera que a terceirização é um privilégio para ninguém. Basta reler a coletânea de textos que acompanha a proposta de redação.

2) Segundo parágrafo: forçando-os? A quem o pronome se refere? Aos próprios serviços, mas os serviços não podem melhorar sua própria qualidade. Quem pode fazê-lo são os prestadores de serviços. O uso incorreto do pronome os torna toda a frase incoerente.

3) Quarto parágrafo: na conclusão, o trecho em vermelho é uma interpretação incorreta dos textos da coletânea que falam da necessidade de regulamentar adequadamente a terceirização.

 

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,0
Nota final 6,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos