Aquele velho crime

NOTA 2,5

A escravidão, escravismo ou escravatura é a prática de usar, vender ou adquirir seres humanos de forma forçada e obrigando-os a trabalhos forçados, deste modo foi criado o termo "raça" para diferenciar um ser humano com a pele mais clara de outro ser humano de pele mais escura – o qual se escravizaria. Essa prática é utilizada desde os tempos mais remotos da história. No Brasil teve seu inicio início no século XVI, com a produção do açúcar no nordeste brasileiro. Mas foi abolida com Lei Áurea de 1888. Mesmo clandestinamente, hoje, o ser humano explora seus semelhantes, tanto negro como branco, amarelo, pardo entre outros. Mas enfim, escravizar é humano?

Primeiramente, não existe o termo "raça" para distinguir um e outro ser humano por cor de pele ou por condição financeira, pois todo ser humano é de uma única raça, à a diferença esta está na genética, cultura, país onde nasceu, etc. A maioria dos "escravos modernos", escravos modernos são submetidos a condições de higiene precárias e submetidos a trabalhar por horas e horas com baixos salários ou até com nenhum. Vários deles (se não dizer senão a grande maioria deles) recorrem a este meio em busca de melhor condição de vida, ou para ajudar a família, por não conseguirem outro tipo de trabalho ou por serem enganados com falsas promessas, mas logo se deparam com um regime fechado, com ordens a serem cumpridas e sem caminho de volta.

Além disso existem vários outros tipos de escravismo modernos na sociedade. Homens e mulheres que deploram a liberdade de uma determinada pessoa (esposo (a), namorado(a), familiar ou ate desconhecidos), os proibindo de sua liberdade para saciar seus próprios desejos. Crianças que não estudam ou param de estudar submetendo-se a trabalhos pesados e desumanos em troca de alimento e moradia, ou uma determinada quantia em dinheiro, muito baixa para determinados serviços, esperando assim ajudar familiares.

Entretanto, a Declaração Universal dos Direitos do Homem assegura direitos igualitários iguais para todo ser humano, podendo este gozar da sua vida, liberdade e segurança pessoal. O Art. IV assegura que nenhum homem pode ser mantido em escravidão ou servidão, e que todo tipo de tráfego de escravos é proibido. Esta mesma Declaração afirma que nenhum ser humano pode ser submetido a tortura ou a castigos cruéis, degradantes e desumanos.

Contudo, a escravidão é real em nosso planeta, e não basta apenas criar, e julgar leis, tem que as cumprir, determinando assim que haja uma maior fiscalização por meio dos governos, principalmente em locais em que a população se encontra em condições de pobreza e desigualdade social elevada, conscientizando-as também a denunciar os abusos cometidos em sua sociedade.

Comentário geral

Texto muito fraco, que apenas tangencia o tema proposto, misturando escravidão com racismo de maneira incorreta, uma vez que a escravidão negra nas colônias europeias não foi o primeiro tipo de trabalho escravo, nem a noção de raça surgiu para criar um pretexto para escravizar. De resto, o autor expõe o que, a seu ver, é a escravidão moderna, preocupando-se com mais com a definição do que com uma argumentação sobre os motivos de o trabalho escravo continuar a existir nos dias de hoje.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) Além de mal redigida, a definição de escravidão apresentada é desnecessária, pois o conceito de escravidão é de conhecimento público. A questão da raça está mal colocada e o racismo não é uma ideologia criada para justificar a escravidão. b) Se a frase começa com No Brasil, a referência ao Nordeste só pode ser ao brasileiro. c) branco, negro, amarelo ou pardo, entre outros? Que outras raças de seres humanos existem além dessas? d) A pergunta é lançada abruptamente ao final do parágrafo, com o qual não tem nenhuma conexão lógica. Além disso, não vai ser propriamente respondida no texto.

2) Segundo parágrafo: a) o termo raça existe sim, basta notar que o próprio autor o emprega. Na verdade, o que ele quer dizer é que não há justificativa para o racismo, mas essa ligação direta entre racismo e escravidão não é propriamente correta em termos históricos. b) Trabalho assalariado e trabalho escravo são diferentes. c) De resto, não é necessário ficar repisando o que é escravidão. Aparentemente, o autor se apega às definições por não ter uma opinião formada sobre o que expõe ou por acreditar que basta mostrar as condições subumanas dos escravos para dizer que é contra a prática.

3) Terceiro parágrafo: a definição dos outros tipos de escravidão também não é das melhores. Deplorar a liberdade e proibir a liberdade são expressões equivocadas. De resto, uma criança trabalhar duro para ajudar a família não é necessariamente escravidão. Parece que o autor pensa no termo em dois sentidos, o literal e o figurado, mas não sabe fazer a distinção entre eles.

4) Registre-se que o quarto parágrafo é o único sem problemas nem erros, talvez porque o autor se limite a transcrever com suas palavras a Declaração dos direitos do ser humano.

5) Quinto parágrafo: também tem problemas de linguagem e não pode ser enquadrado na norma culta do português. A sugestão de solução, que reivindica a aplicação efetiva das leis e da fiscalização é válida, embora genérica demais.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 0,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 2,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos