Topo

Banco de Redações

O UOL corrige e comenta 20 redações. Envie a sua sobre o tema da vez


REDAÇÕES CORRIGIDAS - Fevereiro/2019 Posse de armas: mais segurança ou mais perigo?

Redação corrigida 20

Arma não simboliza segurança

Inconsistente Erro Correção

É de conhecimento geral que, todo que todo armamento representa perigo. Uma perigo, uma vez que, aprofunda que aprofunda as tensões sociais existentes, pois, uma sociedade armada é mais violenta.

Segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) Saúde), o Brasil é o décimo primeiro país com a maior taxa de homicídios no mundo. Logo, podemos observar que vários conflitos sociais ocasionam um aprofundamento da violência e a posse de arma não é a solução para isso, visto que, ela que ela foi criada no intuito de sub-julgar subjugar e não proteger.

Uma sociedade armada é mais violenta, segundo nicolau maquiavel Nicolau Maquiavel, o poder trás traz estabilidade e prestígio, contudo, e é necessário ser um poder representado pelo estado. Instaura-se um comportamento de disputa para a concentração de poder quando entregue a à sociedade. Os indivíduos começam a presumir autossuficiência. Logo, deixa de importa-se deixam de se importar com os direitos de todo ser humano e agem, deliberadamente, dado que, tem agem deliberadamente, dado que têm em suas mãos o que define o destino de uma vida.

Portanto, é necessário que a mídia, o governo, escolas e a família elabore elaborem medidas que abordem a reflexão sobre o armamento da sociedade civil. Assim, é necessário necessária a elaboração de projetos sociais para combater a proliferação do entendimento que armas são a solução para a minimizar a violência no Brasil.

Comentário geral

Infelizmente, o texto é muito problemático e não consegue pontuar na maioria das competências, exceto na segunda, onde, ainda assim, não consegue ultrapassar o nível do precário.

Competências

• 1) Lamentavelmente, o autor não sabe se comunicar por escrito: utiliza e combina as palavras de forma muito subjetiva e aleatória, o que impede que o leitor consiga vencer a obscuridade do texto e descobrir o que o autor está tentando dizer.

• 2) Aparentemente, há uma compreensão mínima do tema: o autor considera que só o Estado deve estar armado e não a sociedade civil, do que se depreende que ele é contra a posse de armas. Mas isso é descoberto nas entrelinhas do texto, confuso de mais para se dizer uma dissertação.

• 3) Os argumentos são obscuros e contraditórios. Primeiro o autor diz que armas geram tensões sociais. Depois que as sociedades armadas são mais violências. A seguir, são os conflitos sociais que geram a violência. É um raciocínio circular que não consegue distinguir o que é causa e o que é efeito. Como a citação de Maquiavel entra nesse círculo vicioso? O leitor não tem elementos para descobrir.

• 4) A rigor, não há coesão, nem há um texto dissertativo, mas uma aglutinação de frases confusas que tangenciam o tema.

• 5) A sugestão de intervenção para resolver o problema é extremamente genérica e confusa. Em termos práticos, pouco significa.

Competências avaliadas

As notas são definidas segundo os critérios da pontuação do MEC
Título nota (0 a 1000)
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 20
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0
Nota final 20

Redações corrigidas

Título nota (0 a 1000)

Os textos desse bloco foram elaborados por internautas que desenvolveram a proposta apresentada pelo UOL para este mês. A seleção e avaliação foi feita por uma equipe de professores associada ao Banco de redações.

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012.

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.