Até quando tudo vai acabar em pizza?

NOTA 7,5

Numa competição, de qualquer tipo, quem é premiado com a melhor recompensa é o vencedor, os que chegam após recebem prêmios menores. Quem chega por último já sabe que não receberá nenhuma recompensa. Mas na política brasileira as ordens são invertidas. Criminosos são beneficiados por delatar esquemas de que até pouco tempo faziam parte. Isso mostra a inversão de valores que se vive atualmente na política brasileira e a certeza de que sempre haverá uma forma de burlar a lei.

Quando um político ou funcionário de empresa estatal, se estatal se deixa manipular por grandes empresários ou latifundiários, sabem sabe das consequências que poderão poderá sofrer. Usufruem Usufrui de suas vantagens financeiras, morais e sociais e e, quando por algum descuido acabam sendo investigados e condenados, aceitam acaba sendo investigado e condenado, aceita relatar e destrinchar todo o esquema. Porém para recorrem às leis Porém, para colaborar com a lei, recebe "incentivos" para fazer algo que deveria ser seu dever fazê-lo.

Observa-se que tudo isso acontece devido às brechas legais que existem na legislação brasileira e a corrupção que se alastrou por todas as esferas do executivo, legislativo e judiciário brasileiro governo do país: Executivo, Legislativo e Judiciário. Um Em um país onde investigados são membros de comissões de ética, criminosos, após acordos duvidosos, recebem regalias.

Dessa maneira os delatores passam a serem ser vistos como pseudo-heróis, por revelarem esquemas simplesmente buscando novas vantagens e benefícios. Só haverá respeito e credibilidade no judiciário Judiciário brasileiro quando quem roubar os cofres públicos tiver que devolver, na íntegra, os valores usurpados e a população tomar consciência de seus direitos e lutar pelo bem comum, não como fantoches de mídias, mas como povo que sabe não somente discutir política, sabe mas também fazê-la acontecer.

Comentário geral

Texto bom. O autor sabe redigir e apresentar suas ideias com clareza, seguindo a estrutura de uma dissertação argumentativa. O grande problema da redação é o conteúdo. Não se trata de haver uma discordância entre as ideias do corretor e do autor. Trata-se de o autor apresentar fatos que não coincidem com a realidade, sendo, portanto, inverídicos. Esclareça-se: não é que o autor esteja mentindo. Sua interpretação dos fatos é que se revela equivocada e desse modo não se sustenta sua argumentação em defesa de seu ponto de vista, como se verá pontualmente.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: Não é bem assim. Não há uma inversão de valores especialmente jurídicos. A colaboração premiada, que também existe na legislação de outros países, não é um prêmio no mesmo sentido em que se dá prêmios a atletas vencedores. O que a lei faz é oferecer um benefício àquele que delata esquemas e agentes de um crime do qual participou, recebendo em contrapartida, em princípio, a redução de sua pena. Ocorre, portanto, um acordo entre o delator e a Justiça, em que ambos saem ganhando: o delator, por motivos óbvios; a Justiça, porque consegue investigar mais rápido e chegar aos mentores do crime.

2) Segundo parágrafo: a) um político ou funcionário funciona como um sujeito no singular, pois se se trata de um ou de outro, de qualquer modo só um pratica as ações dos verbos que estão no predicado. O autor fez vários erros de concordância apontados em verde por não perceber que o sujeito de suas declarações é singular. Só no final, com o verbo recebe, ele parece se dar conta disso. b) Não há benefícios financeiros, pois o Estado recobra o dinheiro que lhe foi roubado, por meio de acordo ou confisco. Quanto aos benefícios morais e sociais, quais seriam eles? Aos olhos da sociedade o delator não se torna propriamente um herói: quem acha que os muitos delatores da Operação Lava Jato agiram heroicamente? Todo mundo sabe que eles agiram em seu próprio benefício, mas, com isso, beneficiaram também a Justiça e a sociedade. Não fossem as delações premiadas, o dono de uma empreiteira enorme não estaria na cadeia e sua empresa não teria de devolver dinheiro aos cofres públicos.

3) Terceiro parágrafo: brechas legais? Que brechas legais, se a colaboração premiada é lei decretada pelo Parlamento e sancionada pela então presidente da República? Os delatores agem em conformidade com a lei e, do contrário, podem perder seus benefícios.

4) Quarto parágrafo: a) já se comentou que os delatores não são vistos como heróis. b) Talvez os valores não sejam devolvidos na íntegra, mas são devolvidos em montantes significativos. Basta acompanhar atentamente o noticiário.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,5
Nota final 7,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos