Bandido: problema cultural brasileiro

NOTA 3,5

Atualmente Atualmente, com a precariedade na segurança pública e código penal um Código Penal defasado, parte da população enxergam enxerga na polícia a única alternativa para acabar com a criminalidade. No entanto é preciso ter cautela, pois nem sempre o bandido é aquele que mora na favela.

É correto que o agente, representante da lei, mate em defesa da própria vida. A vida, a exemplo da ocupação da Vila Canário e do complexo do alemão no Rio de Janeiro em Novembro novembro de 2010, onde quando os policiais foram obrigados a revidar contra a resistência armada de bandidos.

Entretanto, tem policial que desmoraliza a imagem da corporação, é comum noticiários corporação. São comuns notícias de policiais envolvidos no crime. Contudo a criação de grupos de extermínio é o mais grave cometidos é o mais grave crime cometido por esses agentes fora da lei, porque além de matar inocentes é uma clara violação aos direitos individuais garantidos na constituição Constituição de 1988.

O cidadão civil comum ou político que pratica algum tipo de ilícito também fazem faz parte dessa classe de bandidos. Este o mais grave, pois afetam de uma única vez milhares de pessoas.

Evidencia-se, portanto, a necessidade de politicas publicas políticas públicas, com o apoio da mídia, valorizando a boa cultura. Esta seria a melhor arma no combate ao crime, pois alcançaria todos os segmentos da criminalidade.

Comentário geral

Texto fraco, que se caracteriza por uma série de divagações em torno do tema, sem apresentar uma série encadeada de raciocínios, visando a chegar a uma conclusão. Particularmente nos dois parágrafos finais o autor se perde, primeiro fazendo uma divagação que começa com uma obviedade e termina com um trecho incompreensível. Depois, apresentando uma solução genérica demais para o problema, sem dizer por que acha tal solução adequada.

Aspectos pontuais

1) Quarto parágrafo: o que se afirma no começo do parágrafo é simplesmente o óbvio: quem pratica crimes é, por definição, um criminoso, independentemente de ser um cidadão comum ou membro do Governo nacional. A segunda frase está totalmente truncada, por problemas de sintaxe e de concordância. Entende-se o que o autor quis dizer, mas ele o disse de maneira inadequada do ponto de vista gramatical.

2) Quinto parágrafo: a) boa cultura é uma expressão vaga demais. A que exatamente o autor se refere? Aparentemente, ele quis se referir a uma boa educação. b) Não seria a todos os segmentos da sociedade? c) De qualquer modo, a sugestão de solução é genérica demais e não apresenta uma justificativa. O que de fato o autor está propondo? Será que não existem criminosos cultos?

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 3,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos