Ciência em primeiro lugar

NOTA 2,5

A pressão dos pacientes vitimas das vítimas do câncer deliberou a questão da eficacia eficácia da fosfoetanolamina, mais conhecida como "a pilula pílula do câncer", que promete a cura da doença. Com isso veio a reação do Estado em relação ao problema.

Não existem pesquisas que comprovem o que a pilula pílula promete. Testes foram realizados em laboratórios apenas em animais, apesar de que o remédio não tenha resultados satisfatório provados em seres humanos, animais. Apesar de o remédio não ter comprovado resultados satisfatórios em seres humanos, existe uma grande quantidade de pessoas que lutam pela liberação a fosfoetanolamina, por uma questão de esperança para a cura da doença.

A presidente Dilma Rousseff portanto sancionou Rousseff sancionou, portanto, a lei 13.269 no dia 13 de abril de 2016, autorizando o uso da substancia. Porem, substância. Porém, a presidente foi precipitada na sua decisão, sem leva levar em conta a opinião dos cientistas. Alguns admitem que é errado a aceitação do remédio no mercado farmacêutico pois sem testes comprovados os resultados farmacêutico, pois, sem testes comprovando os resultados, é perigoso para pacientes que apenas alimentam uma chance de cura irreal em um tipo de tratamento alternativo.

Portanto Portanto, medidas são necessários necessárias para resolver o impasse. A presidente da Republica República deve imediatamente retirar as pilula do comercio pílulas do comércio, e junto com uma equipe farmacêutica começar a realizar todos os testes necessários para a confirmação do remédio. Como disse Martim Luther King "Toda hora é hora para fazer o que é certo" o certo". O Ministério da Saúde deve realizar pequena palestras em postos de saúde direcionada ao publico alvo público-alvo com doutores, cientistas e farmacêuticos alertando para os riscos que o remédio pode causa causar tanto físico quanto mental.

Comentário geral

Texto fraco, muito confuso. Basicamente, o segundo e o terceiro parágrafo são uma explicação do que foi dito no primeiro, de modo que pertencem mais a uma introdução, do que a um desenvolvimento. Dessa longa introdução, salta-se para uma conclusão, que começa mal, afirmando que são necessárias medidas para resolver o impasse. Ora, todo problema precisa de solução e medidas têm de ser tomadas para resolvê-lo. Mas as propostas do autor são fracas, como o poder Executivo voltar atrás em sua decisão e a realização de palestras em postos de saúde. Fique claro que o STF suspendeu a liberação do medicamento, mas isso ocorreu depois que a redação foi elaborada. O autor parece não compreender a gravidade do problema e do conflito entre ciência e política que serve de tema à redação.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a frase a pressão deliberou a questão da eficácia não faz sentido. O autor desconhece o significado do verbo deliberar, do contrário veria que não tem cabimento o uso que dele fez. Com isso, o fim do parágrafo também fica comprometido, uma vez que a reação do governo, segundo ao autor, está relacionado ao que ele disse antes.

2) Segundo parágrafo: além de escrito de um modo confuso e com erros de pontuação, fala-se de situações irreais: não há pessoas lutando pela liberação, porque a substância já teve seu uso liberado.

3) Terceiro parágrafo: aqui o autor se explica em excesso, bastava dizer que não há testes comprovando os resultados. A questão dos riscos dos tratamentos alternativos é mais complexa do que o exposto no texto.

4) 3) Quarto parágrafo: a) não cabe à presidente da República sentar-se num laboratório junto com farmacêuticos para realizar testes. b) Riscos mentais relacionados ao uso da fosfoetanolamina? De onde o autor tirou essa informação. Não foi dos meios de comunicação.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 0,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 2,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos