Construção de conhecimento

NOTA 4,5

Campo Grande MS, 05 de agosto de 2017

Prezado leitor,

É impreterível impossível em nossa atualidade não ter conhecimento e opinião sobre algo, somos algo: somos bordeados o tempo todo com informações, opiniões e por muitas vezes, e, muitas vezes, com falácias. Basta apenas uma frase mal colocada para alguém ser massacrado em redes sociais, dentre outros meios de comunicação.

Apesar da informação ser constante, cair no abismo do achismo e dos equívocos não é difícil, e para isso, difícil. Para evitar isso, é necessário conversar e saber ouvir, aceitar pontos de vista e o principal: aprender com elas, e para isso, a isso. A discussão é fundamental para adquirir conhecimento e um ponto de vista crítico e social. Não é que brasileiros tem tenham péssima educação argumentativa, é que pensamos que tudo se trata de uma competição, e competição e esquecemos que que, em uma discussão saudável, não existe certo ou errado, apenas pontos de vista contrários.

E ao Ao contrário do que grande parte da população brasileira pensa, discutir não significa brigar, é a argumentação de com prós e contras, com o principio princípio de entender opiniões contrárias, e acrescentar conhecimento. Para uma discussão saudável saudável, é preciso ter educação e respeito, evitando a ironia e o extremismo. Parafraseando Como disse Johann Goethe: Falar "falar é uma necessidade, escutar é uma arte". Sendo assim, ouvir é uma construção de conhecimento que inclui uma necessidade do pensamento social, educação e respeito, que só se constrói exercendo uma discussão saudável.

Atenciosamente,

V

Comentário geral

 

Texto razoável, que poderia ser muito melhor se o autor não perdesse o foco ao final de cada parágrafo. Basicamente, a tese do autor é a de que somos bombardeados por informações e opiniões. Por isso, para evitar o achismo, é preciso discutir, mas discutir não é brigar. É aprender a ouvir e respeitar a opinião alheia, analisa-la e apresentar os prós e os contras. Isso está expresso nas partes da redação que estão em preto, com as correções em verde. Os trechos em vermelho constituem divagações avulsas e equivocadas.

 

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a frase final está solta e não se relaciona com o que foi dito no parágrafo. Aliás, não se relaciona com nada em todo o texto.

2) Segundo parágrafo: o autor muda bruscamente o foco no trecho em vermelho. Ele estava falando da importância da discussão. De repente, passa a defender os brasileiros da acusação de ter má formação argumentativa. Para piorar, faz isso de um modo equivocado. É lógico que numa discussão pode haver um ponto de vista certo e um errado. A questão é descobrir qual é o certo, qual o errado, e como persuadir um dos interlocutores a aceitar o que está certo. Claro que, em muitas discussões, os pontos de vista podem ser contrários, mas não necessariamente contraditórios. Mas a discussão se estabelece para analisar uma questão e descobrir o modo certo de entendê-la.

3) Terceiro parágrafo: a) o autor está citando, não parafraseando, que é dizer as mesmas coisas com outras palavras. b) A conclusão é confusa, põe o foco no ouvir e não no argumentar, para depois afirmar que só a discussão constrói o conhecimento. Não chega a ser um raciocínio, mas uma divagação obscura.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 4,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos