Delação premiada contra a corrupção

NOTA 4,5

Atualmente a população brasileira se depara com casos de corrupção, envolvendo políticos e grandes empresários, estampando que estampam as manchetes policiais. E o judiciário utilizando a chamada delação premiada, afim E a utilização da delação premiada pelo judiciário, a fim de coletar provas necessárias para acabar com essa corrupção e prender todos os envolvidos, vem se tornando cada vez mais frequente.

A delação premiada, criada em 2 de agosto de 2013 pela Lei 12.850, oferece benefícios como a redução de pena para o acusado que colaborar com a investigação investigação, fornecendo informações de sobre como funcionava e das pessoas envolvidas no esquema de corrupção o esquema de corrupção e as pessoas nele evolvidas. Investigadores acreditam que está esta é uma boa forma de dar velocidade ao processo de investigação e de levar a julgamento todos os envolvidos no caso de corrupção para que seja feita justiça dando fim ao esquema de corrupção prendendo todos os envolvidos e não permitindo que o esquema de corrupção continue.

Entretanto, há aqueles que acreditam que a justiça Justiça não pode utilizar a delação premiada como prova válida premiada por estimular uma espécie de "traição" "traição", além de favorecer o criminoso com benefícios. Por esse motivo, a defesa dos acusados acredita que informações obtidas através da delação premiada não podem ser usadas para incriminar seus clientes. Já o Estado diz que o acusado tem o direito a confessar o crime crime, tornando valido válida a delação premiada e por sua vez tornando válida as acusações que tem como base informações obtidas na delação premiada.

Por fim, pode-se concluir que, a justiça no Brasil que a Justiça, no Brasil, pode ser feita a partir da delação premiada premiada, que é uma excelente forma de combate e repressão ao crime de corrupção no Brasil e que cabe ao poder judiciário Judiciário a utilização dessa ferramenta sempre que for oportuno para realização da justiça no Brasil.

Comentário geral

Texto razoável, em especial no que se refere à estrutura da dissertação. Quanto a linguagem e conteúdo, no entanto, ele deixa a desejar pela prolixidade e redundância com que o autor estica o texto, como se aumentá-lo em tamanho aumentasse sua qualidade. Muito pelo contrário, se o autor eliminasse as informações redundantes e desnecessárias, certamente ele teria mais espaço para aprofundar sua discussão sobre o tema. Também em termos de argumentação o texto deixa a desejar: o autor se limita a expor os dois lados da questão, a Justiça e os críticos, e colocar-se ao lado do primeiro sem apresentar fatos que justifiquem sua posição.

Aspectos pontuais

1) Segundo parágrafo: a) a lei foi sancionada nessa data com relação às organizações criminosas, mas a colaboração premiada já existia para outros crimes. b) Por se explicar demais, no trecho assinalado em vermelho, o autor se repete e faz declarações óbvias.

2) Terceiro parágrafo: mais uma vez, redundância e banalidade.

3) Quarto parágrafo: a conclusão não decorre das premissas apresentadas anteriormente e também é marcada pela redundância. Por exemplo, note-se que o autor repete Brasil três vezes, desnecessariamente.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 4,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos