Direita, esquerda... Mas e a educação?

NOTA 2,5

Desde o ano de 2004, existe um programa chamado de "Escola Sem Partido", que visa abolir temas socialmente políticos das escolas. Tal programa teria sido criado na com a intenção de desinibir a formação de alunos politizados de acordo com a visão e os argumentos do professor.

Como pode o próprio governo querer tirar o direito do educador, professor, da criança e do adolescente de debater e opinar sobre a atual política do país, quando na verdade, nada seria mais justo e correto do que a criação de uma matéria escolar cujo o foco fosse a política brasileira.

Contudo, a questão da educação no Brasil deixa muito a desejar, uma vez que pesquisas feitas pelo ministério da educação Ministério da Educação neste ano de 2016 mostram que os estudantes brasileiros lideram o ranking de mais desordeiros em sala de aula, do no mundo.

A solução mais sensata nessa questão politico-educacional, político-educacional seria a de uma reforma política para que, quem sabe assim, não mudassem as leis que regem o país e dispusessem de matérias escolares mais eficazes para a construção do caráter político desses jovens.

Comentário geral

Texto lamentavelmente muito fraco. O autor não tem domínio da norma culta do português e, mesmo empregando uma linguagem informal, não consegue deixar claro seu pensamento. Há muita ambiguidade e expressões equívocas no texto. Também é de notar os erros de pontuação que afetam o sentido do segundo parágrafo e do trecho final. O texto tem um título inadequado, o que é indicado ali não faz parte do conteúdo do texto.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a introdução é problemática. a) O que significa temas socialmente políticos? Por que socialmente políticos, uma vez que toda política pressupõe a existência de uma sociedade? b) Desinibir? Como assim? Talvez impedir a politização dos alunos... Mas toda essa apresentação do problema é equivocada e não condiz com a realidade dos fatos. É uma paráfrase infeliz de um projeto que, supostamente, visa coibir a doutrinação ideológica dos alunos pelos professores.

2) Segundo parágrafo: o autor está fazendo uma afirmação, a partir de uma interrogação, uma pergunta de cunho retórico. Só que se esquece de que, quando se faz uma pergunta, usa-se o ponto de interrogação no final. De resto, o conteúdo do parágrafo é confuso. Colocar crianças no problema chega a ser surrealismo. É um absurdo imaginar que crianças do primeiro grau sejam capazes de discutir e opinar sobre política. Quem garante que a criação de uma disciplina política vai despertar o interesse dos alunos e esclarecê-los sobre as questões políticas de modo imparcial? No fundo, o entendimento que o autor teve da proposta de redação é precário e superficial.

3) Terceiro parágrafo: é uma divagação que se afasta do tema. De resto, jogar a culpa dos problemas da educação brasileira nos estudantes bagunceiros é outro exagero.

4) Quarto parágrafo: o texto se encerra com outra pergunta retórica, sem o ponto de interrogação. Não bastasse isso, é conceitualmente equivocado: a escola não tem o papel de construir o caráter político dos alunos. E o que é caráter político? Caráter é um conceito mais ligado à moral e à psicologia do que à política. De resto, o Brasil precisa, sim, de uma reforma política, mas isso nada tem a ver com a criação de novas leis para a educação.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 0,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 2,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos