Topo

Banco de Redações

O UOL corrige e comenta 20 redações. Envie a sua sobre o tema da vez



REDAÇÕES CORRIGIDAS - Fevereiro/2017 É preferível praticar ou sofrer uma injustiça?

Redação corrigida 350

É preferível sofrer uma injustiça

Erro Alteração Correção

É preferível sofrer uma de injustiça. Pois injustiça, pois praticar injustiças, são condutas injustiças é conduta de pessoas más, comportamento que chegam más. Esse comportamento chega a trazer grandes consequências para quem pratica tal ato o pratica.

Sabe-se que a sociedade atual parece não existir pessoas que se importa com o próximo, Na sociedade contemporânea, a maioria das pessoas parece não se importar com o próximo, esquecendo-se de que o seu direito termina quando o do outro começa, cada começa. Cada um busca o seu próprio interesse, sem pensar que muita das muitas vezes está sendo injusto com o próximo.

Pode-se notar essa injustiça em nosso dia a dia continuamente frequentemente, quando, por exemplo, é negado o direito preferencial á a um idoso ou gestante na fila de um banco, quando se ocupa a vaga de um deficiente no estacionamento.

Embora, cada Cada um tem que fazer sua parte parte, cumprindo as leis e pensar pensando no próximo, se colocar colocando-se no lugar do outro, só outro. Só assim poderá pensar duas vezes antes de é possível pensar duas vezes e evitar cometer uma injustiça, assim poderá ter um pais país com mais igualdade onde todos poderão ter o seu lugar no mundo.

Comentário geral

Texto fraco, com problemas estruturais e de linguagem. O autor começa como se estivesse dando à questão do tema uma resposta discursiva, o que não é o caso. É preciso introduzir o tema da redação. Ao contrário, o autor se limita a dizer que é preferível sofrer uma injustiça do que praticá-la, pois quem a pratica é mau e pode sofrer consequências. Que consequências e de que modo isso acontece, o autor não se dá o trabalho de dizer. Passa a constatar que as pessoas, hoje em dia, não se importam muito com a justiça (segundo parágrafo) e dá exemplos (terceiro parágrafo). A conclusão é coerente com o que o autor disse, mas está muito mal formulada em termos linguísticos. Isso tudo, infelizmente, obriga o corretor a tirar pontos das três últimas competências, fazendo a ressalva de que outro corretor talvez desse mais meio ponto na competência 5, para evitar que o texto não somasse 4 pontos no total.

 

Aspectos pontuais

1) A redação não tinha título. Para identificá-la, usamos a primeira frase do texto.

2) Primeiro parágrafo: como já se apontou, não é propriamente uma introdução ao assunto. O texto começa como se fosse uma resposta discursiva. Não é o caso. A introdução tem de ser autônoma, de modo que quem ler o texto saiba qual é o tema, mesmo não tendo lido a proposta que gerou a redação.

3) Quarto parágrafo: muito mal escrito e se encerra de maneira confusa, justiça não tem necessariamente que ver com igualdade (exceto a igualdade perante a lei). De resto, quem age bem no interior do país conquista um lugar no mundo? Que significa isso?

 

Competências avaliadas

As notas são definidas segundo os critérios da pontuação do MEC
Título nota (0 a 1000)
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 100
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 100
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 50
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 50
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 50
Nota final 350

Redações corrigidas

Título nota (0 a 1000)

Os textos desse bloco foram elaborados por internautas que desenvolveram a proposta apresentada pelo UOL para este mês. A seleção e avaliação foi feita por uma equipe de professores associada ao Banco de redações.

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012.

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.