É só um mosquito

NOTA 4,0

Um mosquito, vetor de várias doenças, é o principal inimigo da saúde atualmente no Brasil. Sua profilaxia é simples simples: eliminar os locais onde ele deposita suas larvas seus ovos. Porém, a má gestão pública da saúde pública, aliada ao descaso da população tornou população, tornaram essa tarefa uma missão quase impossível.

O principal fator é o descuido da população. Como exemplo disso é um dado da população, como comprova uma pesquisa da prefeitura de Belo Horizonte que constatou que 80% dos focos do mosquito estão em residências. Tal fato coloca em evidência a parcela de culpa da população que deve zelar com o pelo seu terreno, garantindo que não exista existam locais que favoreçam a proliferação do mosquito.

Outro fator é algo que parece impregnado na politica política brasileira, a corrupção. Muitas vezes os recursos destinados para a saúde pública como, por exemplo, a limpeza urbana, são desviados para terceiro com fins particulares. Com mais lixo nas ruas pode se criar locais favoráveis ruas, surgem mais locais favoráveis para que o Aedes possa proliferar.

Esses fatores tornam o mais mais difícil o combate ao mosquito. Para que se possa fazer um controle efetivo e reduzir os casos de doenças doenças, cabe uma ação conjunta da população e da esfera pública. O governo deve garantir que os recursos sejam de fato utilizados no combate, cabe combate. Cabe também a ele promover a educação ambiental da população através de palestras. Cabe também à população agir conscientemente através da responsabilidade com sua residência e arredores.

Comentário geral

Texto fraco, que começa muito bem, mas vai decaindo a partir do segundo parágrafo. O autor se perde na exposição dos responsáveis pelo problema. Não consegue compor uma argumentação sólida, particularmente no que se refere ao governo. Por fim, faz sugestões de valor questionável, como as palestras para a população. No âmbito positivo, destaca-se o esforço para criar uma estrutura dissertativa coesa, relacionando todos os parágrafos entre si.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: aqui, o autor diz que a má gestão da saúde pública, aliada ao descaso da população, é a principal causa do problema. Ou seja, ele estabelece uma hierarquia: a) causa principal = má gestão; causa secundária = descaso da população. No parágrafo seguinte, ele vai inverter essa hierarquia.

2) Segundo parágrafo: a) começa com a inversão já mencionada, mas, além disso, faz uma declaração que parte de um ponto para chegar ao mesmo ponto. Segundo ele o principal fator é o descaso da população comprovado pela pesquisa que comprova o descaso da população... Fora isso, se até aqui a responsabilidade da população era o principal fator, agora o autor fala em apenas uma parcela de culpa da população. b) Terreno, no contexto da frase, significa exatamente o quê? Quem fala em terreno da população?

3) Terceiro parágrafo: a) fator é um termo emprestado da matemática e são os termos de uma multiplicação que resulta num produto. Trata-se de um termo relativo. Não é correto falar em fator de modo absoluto e sem complementar, ou seja, sem dizer, por exemplo, outro fator que concorre para agravar o problema é... b) A limpeza urbana colabora com a saúde pública, mas não é parte da gestão da saúde pública. Recursos para a limpeza urbana não vêm das entidades que gerem a saúde. c) Quer dizer que todo o dinheiro da corrupção no Brasil se trata de desvio das verbas para a limpeza urbana? d) Quem será esse terceiro que recebe o dinheiro desviado? Se o aluno está falando de terceiro, no singular, é porque ele está se referindo a um único corrupto. e) Não se trata de qualquer Aedes, há outros Aedes além do Aedes aegypti.

4) Quarto parágrafo: a) o que era quase impossível, agora é somente mais difícil. b) A repetição de cabe também denota pobreza de repertório linguístico. c) Será que toda a população iria frequentar essas palestras? Palestras são, efetivamente, uma forma de atingir a massa? b) Como se age através da responsabilidade? A expressão é ilógica.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 4,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos