Ei, vamos discutir?

NOTA 4,0

Diariamente, assistimos discursos, palestras ou lemos textos sobre diversos temas que compõe compõem nosso país. E ainda com mais frequência, vemos pessoas que fazem uma má interpretação, pondo em vista uma argumentação muito pior. O grande erro, é erro é que esse problema não é tratado com a devida atenção, o qual pode levar um comentário a se tornar até em um ato de violência.

É preciso considerar, antes de tudo, os problemas da falta de leitura que levam as pessoas a não saberem interpretar da maneira correta. Não é novidade que o hábito de ler traz um bem enorme para as pessoas, além pessoas. Além de poderem poder ampliar seus nossos horizontes culturais sobre diversos temas, a leitura nos traz a capacidade de interpretação, do jeito certo. O certo, o que é essencial para a construção de argumentos que poderão ser utilizados em uma possível eventual discussão.

Também não pode ser deixado de fora, que de lado que o termo discussão, não discussão não é bem visto por muitos brasileiros, e brasileiros e, por isso, muitos deles não praticam essa ação. Está aí, a grande causa da carência argumentativa. As pessoas não são estimuladas a discutir com outras que tenham opiniões opostas, por isso, despejam argumentos levianos.

Nessa perspectiva, algumas medidas precisam ser tomadas para corrigir a problemática o problema. O governo, em parceiro parceria com o MEC, poderia elaborar campanhas publicitárias e escolares para mostrar a importância da leitura. Poderiam também, criar um projeto de discussão, em que se daria um tema, e tema e pessoas de opiniões divergentes mostrariam seus argumentos sobre ele. Tudo para que o brasileiro tenha uma boa base argumentativa.

Comentário geral

Texto mediano, que, em primeiro lugar, apresenta uma compreensão equivocada da proposta de redação, pois nem é escrita sob a forma de carta, nem analisa corretamente a questão do aprendizado da argumentação, atribuindo-o à falta de leitura (o que faz parte do problema, mas não é o ponto principal) e ao preconceito contra o termo discussão, o que é um argumento, no mínimo, ingênuo. A tudo isso, somam-se os deslizes linguísticos e os erros gramaticais, de modo que a nota não pode ser maior do que a atribuída, a menos que o corretor fizesse vista grossa a tantos problemas. De positivo, aponte-se que o autor sabe desenvolver um texto argumentativo, apesar dos problemas, como sabe propor uma solução genérica, mas adequada ao problema abordado. Em tempo, o título é coloquial demais para ser levado a sério.

Aspectos pontuais

 

1) Primeiro parágrafo: é o pior de todo o texto. Há duas escolhas muito infelizes de vocabulário. A primeira é compõem (verbo que já estava flexionado incorretamente quanto à pessoa, que é a 3ª. do plural e não do singular). O país não é composto por discursos, textos ou palestras. O que o autor quer dizer é que esses textos ou palestras interessam ao país. A segunda é interpretação, bem como interpretar, ambos usados de modo intransitivo. Quando se fala em interpretação, fala-se em interpretação de alguma coisa, igualmente quem interpreta, necessariamente, interpreta alguma coisa. Desse modo, a ideia do autor, embora compreensível, foi apresentada de modo incompleto. Para piorar, o parágrafo se encerra com um erro grave de pontuação e uma sintaxe confusa.

2) Segundo parágrafo: vale o que já dissemos sobre interpretação/interpretar no item anterior.

3) Terceiro parágrafo: a) o termo talvez seja mal visto pelos brasileiros justamente por ser mal interpretado. Entende-se a discussão como algo que produz conflito, em vez de consenso. Mas essa é uma interpretação equivocada do termo discussão. b) Despejar argumentos levianos é uma frase que não tem valor denotativo, não diz objetivamente nada.

 

 

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,0
Nota final 4,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos