Ensine-as a se defender

NOTA 5,5

Os recentes ocorridos mostraram que o estupro e demais formas de violência contra a mulher ainda são comuns na sociedade. Numa análise do assunto assunto, devemos considerar inicialmente que estupro é sempre errado e que nunca a culpa deve recair sobre a vítima. A partir disso, é preciso discutir como impedir que novos casos parecidos aconteçam.

É bastante comum que haja uma inversão de valores, que se culpe a vítima pela agressão sofrida, ou que se tente criar justificativas para o crime. Tal ponto de vista é completamente equivocado, já que nada justifica qualquer forma de agressão. Sobretudo, o crime demonstra a total falha da segurança pública.

Estupradores não aprender aprendem a estuprar. Diante de uma oportunidade, consultam os riscos e consequências, e a partir disso cometem ou não um crime. Não há extinto instinto, ou qualquer característica biológica que o leve a cometer o estupro, por isso não há como educar para que isso não aconteça.

Para que um estuprador perceba que a violência não vale a pena pena, ele precisa saber que caso a cometa será punido que será punido, caso a cometa. E diante um sistema judiciário falho, a única alternativa é a defesa pessoal. As armas de fogo são a única forma de uma mulher ter a capacidade de se defender de um homem, geralmente mais forte fisicamente.

Comentário geral

Texto razoável, mas bastante superficial e com muitos problemas linguísticos e ideológicos. Apesar de o autor procurar seguir um raciocínio lógico ao longo do texto, os fundamentos desse raciocínio são bastante questionáveis, em especial quando ele conclui que as mulheres devem possuir armas de fogo para se defender de estupradores. Essa proposta, aliás, poderia ser considerada ofensiva ao respeito aos valores humanos que se exige na competência 5.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) recentes ocorridos refere-se, aparentemente, a um único ocorrido: o estupro coletivo no Rio de Janeiro. Além disso, a expressão prejudica a autonomia da introdução: o primeiro parágrafo deve deixar claro sobre o que o autor vai falar, de modo que o texto seja compreensível, mesmo para quem não viu a proposta de redação. Sob essa perspectiva, a expressão recentes ocorridos nada significa. b) As considerações iniciais são truísmos e não é necessário falar em parecidos para qualificar os novos casos, pois, se eles são novos casos, só podem ser novos se são do memso tipo de casos.

2) Segundo parágrafo: a conclusão do parágrafo não está diretamente relacionada ao que o autor disse antes. Ele muda abruptamente o foco de suas declarações. Além disso, a palavra crime é genérica demais: de que crime o autor está falando? O leitor sabe, é claro, mas isso tem de estar explícito. De resto, por que esse crime em particular (o estupro coletivo que originou a proposta) demonstra a total falha da segurança pública? O crime em questão tem de se somar a muitos outros para ser uma demonstração cabal da quase inexistência de segurança pública no Brasil.

3) Quarto parágrafo: armar as mulheres é uma solução simplista e radical demais, além de questionável sob o prisma dos valores humanos e de sua própria efetividade. Não basta ter uma arma, é preciso aprender a manuseá-la, ter oportunidade de usá-la e ser treinado para enfrentar situações violentas. Então, estar armado, por si só, não é uma garantia de segurança.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 5,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos