Estética e seu verdadeiro significado

NOTA 7,0

Desde os tempos mais remotos remotos, padrões de beleza, produto da cultura, já existiam. Uma mulher com 1,70 m de altura, 50 kg, pernas torneadas, barriga definida e leve marcas de expressão no rosto pode ser um exemplo dos ideais femininos da cultura de massa do capitalismo, e pessoas capitalismo. Pessoas colocam em risco sua situação financeira, além da saúde física e mental, buscando avidamente essa perfeição imposta, mas relatos e uma breve reflexão mostra mostram que isso não vale a pena.

Para entender bem porque por que não apostar tanto na beleza, é importante lembrar que a estética é revelada através das sensações, e segundo os filósofos empíricos, é algo baseado em valores subjetivos, o belo e o feio não deve devem ser algo de senso comum, assim quando alguém é guiado por padrões, ela só está enriquecendo as gananciosas e egoístas indústrias de cosméticos, cirurgias plásticas e academias e perdendo sua verdadeira identidade, correndo atrás do artificial.

Vale ressaltar que abusar de cirurgias, dietas e exercícios físicos para ser aceito na sociedade pode levar a depressão e estresse ao estresse e à depressão, e em e, em determinados procedimentos procedimentos, a pessoa coloca em risco a vitalidade vida e acaba sendo "obrigada a pagar pela vaidade estupida estúpida" como disse Andressa Urach, modelo que sofreu de infecção e taquicardia após uma aplicação de hidrogel.

Portanto, é necessário que os profissionais da área da beleza sejam éticos, alertando que o exagero pode trazer consequências irreversíveis e com e, com o apoio da mídia mídia, mostrar que a saúde é mais importante. Além disso disso, todos devem evitar a discriminação ao julgar alguém como belo ou feio, porque bonito mesmo é aquele sensível a contemplação do subjetivo

Comentário geral

Texto bom, na medida em que faz uma análise do problema proposto e efetivamente argumenta para fundamentar seu ponto de vista, mas os problemas pontuais, que não são poucos e às vezes são graves, puxam as notas de algumas competências para baixo.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) Para que especificar tanto um padrão de beleza – e exclusivamente feminino? E até que ponto esse padrão é verdadeiro? Três das principais top-models brasileiras estão fora do padrão que ele descreveu: Ana Hickmann tem 1,85 m; Gisele Bündchen, 1,80m; e Fernanda Lima, 1,78m. b) Além disso, o fato de padrões de beleza serem produtos da cultura é relativo. A beleza do sexo oposto também é uma forma que a Evolução encontrou para criar atração entre os seres vivos e favorecer a reprodução da espécie. c) melhor que relatos seria falar em casos ou exemplos.

2) Segundo parágrafo: a) o grego aisthetós, de que deriva ao português estética significa sensibilidade, daí que é uma tautologia dizer que a estética se revela pelaa sensações. Quem é cego não pode ver a beleza de um quadro, quem é surdo não pode apreciar a beleza de uma música. Isso é óbvio. b) Daí para a frente, o autor faz uma redução simplificadora do pensamento dos filósofos empíricos, apresenta frases ambíguas e faz relações diretas entre coisas que não estão relacionadas tão diretamente assim. O parágrafo tem, sim, elementos, sólidos e válidos, mas deveriam ser expostos de modo mais extenso e claro, talvez em mais de um único parágrafo. É esse parágrafo que prejudica mais a redação como um todo.

3) Terceiro parágrafo: propomos a inversão, porque vamos do problema menor (o estresse) para o maior (a depressão). É essa a ordem lógica. Ninguém vai dizer: fulano morreu e teve um resfriado.

4) Quarto parágrafo: termina de modo ambíguo. O que será essa contemplação do subjetivo? Será uma referência à beleza interior? Mas a subjetividade pode ser tanto bela quando horrorosa. Contemplar a subjetividade de um psicopata é contemplar o horror, o que de pior existe na mente humana.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 2,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 2,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,0
Nota final 7,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos