Fatores para o péssimo desempenho dos colégios públicos

NOTA 4,0

Apesar dos ótimos resultados dos colégios militares em todo o Brasil, no Enem, é um equivoco equívoco acreditar que os valores militares favorecem a educação. Existe varios vários fatores que somam produzem o ensino, e a ausência destes são às causas é a causa do péssimo desempenho dos alunos dos demais colégios públicos.

Os colégios militares vem vêm apresentando melhores resultados do que outras instituições de ensino público. O fato se faz afirmar que os diferentes valores empregados nessas repartições favorece favorecem o ensino.

Uma diferença importante dos colégios militares são é sua estrutura. A falta de estrutura nos demais colégios, causa colégio causa a pouca exigência do aluno, e aluno e dificulta às as funções do professor e dos demais trabalhadores da instituição, subtraindo assim os bons resultados das escolas públicas.

Toda instituição de ensino tem suas regras que exigem disciplina, ordem e senso de autoridade do aluno, e a base estrutural está totalmente ligada a esse exercício ao exercício dessas regras. O deficit déficit do ambiente escolar público compõe os fatores que causam o péssimo desempenho dessas repartições.

Fica claro que a resposta para uma melhor educação de qualidade educação de melhor qualidade não está só na maneira exclusiva de cada instituição de ensino, mas também está na estrutura dos colégios. Isso se constata tanto nos colégios militares, quanto nos colégios privados, detentores de boas estruturas.

Comentário geral

Texto fraco, que já começa com um título equivocado: fala em fatores, no plural, mas, na verdade, apresenta um único fato, a falta de estrutura. Não é o único equívoco do texto. Pior, toda a argumentação do aluno está centralizada nesse tópico, a estrutura, mas ele não define em momento algum o que quer dizer com estrutura, que é um termo muito amplo e que pode significar tanta coisa, que acaba não significando nada, se não lhe for dada uma definição. Mesmo os problemas corrigidos em verde não são problemas menores. Há erros graves de concordância entre eles, sem falar em erros de acentuação, vírgula separando sujeito do predicado, vocabulário inadequado.

Aspectos pontuais

1) Segundo parágrafo: a) aparentemente, trata-se de um erro de digitação: o aluno queria dizer: o fato faz afirmar. Mesmo assim, do jeito que está, a frase não faz sentido. b) Escola não é propriamente uma repartição.

2) Terceiro parágrafo: a) já comentamos anteriormente o problema de falar em estrutura/falta de estrutura, sem a devida definição. b) pouca exigência do aluno é uma ambiguidade. Pode significar que se exige pouco do aluno ou que o aluno é pouco exigente.

3) Quarto parágrafo: a) para a expressão base estrutural, vale o mesmo comentário que foi feito sobre estrutura. b) O mesmo problema se repete na expressão déficit do ambiente escolar, que é vaga e obscura. O que, exatamente, o autor quer dizer com isso?

4) Quinto parágrafo: a) como se vê pela repetição da palavra, o único fator que o autor aponta é a falta de estrutura, seja lá o que ele quer dizer com isso. b) maneira exclusiva também não deixa claro ao que o autor se refere. c) Escola não é repartição.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 4,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos