Ferramenta indispensável para derrubar ditaduras.

NOTA 7,0

As redes sociais surgiram com o avanço da tecnologia, capaz de para reunir grupos de pessoas para compartilhar determinados assuntos de interesse comum entre elas, num ambiente online distinto na rede mundial de computadores. Hoje, indubitavelmente, as redes sociais ditam os padrões de consumo e comportamento da sociedade, embora alguns as vejam como pivôs de separações de relacionamentos amorosos, mas, podemos atribuir de fato essa acusação a elas? amorosos. No entanto, podemos, de fato, atribuir-lhes essa acusação?

Na verdade, não há como culpa-las culpá-las, pois elas são apenas mais um canal de troca de informações em um ambiente moderno e transitório e quem de fato as usam usa deve se policiar, ter policiar e ter maturidade suficiente para não fazer mal uso delas.

Por outro lado, as redes sociais já provaram como foram e ainda continuam sendo, agentes indispensáveis das revoltas populares, como na "Primavera Árabe", na qual o povo fazia uso delas as usava para convocação de protestos e para espalhar imagens das atrocidades cometidas pelos governos ditatoriais. Essa articulação nas redes sociais foi primordial para a derrocada de algumas ditaduras no oriente médio e Oriente Médio e tornou-se um marco revolucionário.

Concluindo, como a evolução tecnológica impacta a vida de bilhões de pessoas, cabe a cada um ser o diferencial de como esse impacto recairá sobre nós. Para tanto, deve-se buscar um uso consciente e diligente das redes sociais.

Comentário geral

Texto bom. Nitidamente, o autor tem potencial para escrever melhor. No entanto, ele não sabe desenvolver seu raciocínio de um modo equilibrado. Aparentemente, ele se estende mais no que lhe interessa e passa rapidamente pelo que ele não se interessa. Daí, o desnível de extensão dos parágrafos, bem como certo desnível de conteúdo. As redes sociais se tornaram realmente ferramentas para derrubar ditaduras. Mas se trata de ferramentas que é preciso usar juntamente com outras (greves, passeatas ou luta armada). As redes sociais, por si só, não são capazes de derrubar ditaduras. De qualquer modo, é importante o aluno ter enxergado a questão política que existe no tema redes sociais. Por outro lado, se ele enxergou esse aspecto positivo, descartou muito rapidamente os aspectos negativos e mal examinou a interferência das redes sociais nos relacionamentos pessoais, restringindo-se a uma breve menção às questões afetivas e deixando a solução disso a critério individual dos usuários. Esse discurso parece coisa de político no mau sentido: o político, em geral, não responde o que lhe perguntam, mas apenas aquilo que ele mesmo quer enfatizar.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) é um exagero dizer que as redes sociais ditam os padrões. Elas também ditam os padrões, mas há vários outros veículos que também fazem isso. b) A interferência negativa nos relacionamentos amorosos é apenas uma das muitas críticas às redes sociais, que o autor rapidamente descartou para falar do que lhe interessava: o papel político das redes.

2) Quarto parágrafo: a conclusão é apressada e apenas repete o que já tinha sido dito no segundo parágrafo. O autor parece ter perdido o fôlego, depois de tratar do que lhe interessava: o papel político das redes.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,0
Nota final 7,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos