Filantropia: cultura de ajuda ao próximo

NOTA 4,0

A filantropia, o ato de ajudar quem necessita, deveria ser praticado no Brasil com mais intensidade intensidade, a fim de reduzir a desigualdade social. O governo precisa dar mais incentivos fiscais às pessoas que contribuem com as doações.

Grande parte da população brasileira sofre com a falta de recursos financeiros para realizar o básico básico, como alimentação, vestuário, saúde e educação, em educação. Em contrapartida, uma pequena parte possui uma renda bem alta, que permite levar uma vida luxuosa. Se essa pequena parte se comprometesse a doar uma certa quantia mensal para ser investida em fundos sociais de amparo aos pobres, haveria uma redução da desigualdade social no país.

Além disso, o governo poderia recompensar melhor esses doadores. Atualmente quem pratica filantropia no Brasil, tem Brasil tem um abatimento de até 6% no imposto de renda, nos Estados Unidos o desconto pode chegar a 50%, se 50%. Se no Brasil esse desconto fosse maior, outras pessoas ficariam mais animadas em ajudar, pois muitos só ajudam se recebem algo em troca.

Portanto, a filantropia pode ajudar o país a reduzir a desigualdade social e e, com o incentivo do governo, pode ficar ainda melhor. Poderia investir mais em saúde e educação, que são áreas importantes para um país evoluir. Basta os mais ricos se interessarem pelos mais pobres.

Comentário geral

Texto regular. Em termos de conteúdo, é bastante superficial e dá a entender que o autor não entendeu propriamente o tema. Sim, de um modo geral, filantropia significa amor à humanidade, mas o tema aborda um tipo específico de filantropia: o de bilionários e milionários que doam em vida parte significativa de suas fortunas não só para ajudar os necessitados, mas também o desenvolvimento das artes, da ciência, etc. Não se trata de contribuições mensais como diz o autor da redação. Não bastasse isso, o texto insiste na contrapartida que os doadores devem receber e em incentivos fiscais e na ideia de o governo fomentar a filantropia. Ora, que tipo de beneficência é essa, na base do toma lá, dá cá?

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) filantropia não é só ajudar os necessitados. O nome disso é caridade. b) O que o autor quer dizer é que a prática da filantropia deve aumentar. Mas ele diz que o ato filantrópico deve ser mais intenso? Como se mede a intensidade desses atos? c) Reduzir a desigualdade social é uma espécie de mantra que o autor repete ao longo do texto, mas a filantropia não tem exclusivamente esse objetivo. A redução da desigualdade social é algo muito complexo, que envolve muito mais do que benficência e filantropia. d) A questão do incentivo fiscal à filantropia também não é tão simples. Se alguém faz uma doação de dinheiro em troca de isenção de impostos, isso não é propriamente uma doação.

2) Segundo parágrafo: a) essa ideia de que grande parte da população não dispõe de recursos financeiros para o básico é uma espécie de eufemismo para dizer que grande parte da população brasileira vive abaixo da linha da pobreza. b) aqui existe um equívoco conceitual. A questão da filantropia não se resume a contribuições mensais. Aparentemente, o autor não consegue dimensionar o que significa alguém doar 60% de seu patrimônio líquido.

3) Terceiro parágrafo: a) essa informação sobre benefícios fiscais no Brasil e nos Estados Unidos deveria ser apresentada com base em uma fonte confiável, para que o leitor possa ter certeza daquilo que o autor está afirmando. Do jeito que está, não dá para saber se o autor tem razão ou está chutando. b) Voltamos à ideia da filantropia como toma lá, dá cá. Toma lá, dá cá não é filantropia, beneficência, altruísmo.

4) Quarto parágrafo: a) mais uma vez se repete o ponto da redução das desigualdades sociais. b) O que pode ficar melhor? A frase não explicita seu sujeito e se torna ambígua. c) Mais ambiguidade: quem poderia investir? d) Não se trata de uma questão de interesse pelos mais pobres, mas de solidariedade com eles.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,0
Nota final 4,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos