Topo

Educação

Banco de Redações

O UOL corrige e comenta 20 redações. Envie a sua sobre o tema da vez


REDAÇÕES CORRIGIDAS - Junho/2019 Universidade em crise: quem paga a conta?

Redação corrigida 440

Gasto nas universidades

Inconsistente Erro Correção

No Limiar limiar do séc. XXI, a educação de nível superior vem sendo cada vez mais cobrada do que nos anos anteriores. Diversas Faculdades Federais faculdades federais vêm sendo criada abrangendo criadas e recebendo um grande número de alunos. Por serem gratuitas, essas faculdades são destinadas principalmente para pessoas de baixa renda, mas sabe-se que no Brasil não é bem assim que "a banda toca".

Inicialmente, é importante destacar, que destacar que grande parte dos jovens que moram em bairros periféricos, não periféricos não tem condições de pagar uma faculdade particular, e particular e optam por tentar conseguir uma bolsa, ou vaga em alguma faculdade pública através de vestibulares. Isso dá uma chance desses de esses jovens mudarem sua realidade de vida.

Contrário a isso, existe Ao contrário, existem jovens com boas condições que também optam por faculdades federais, provocando vários gasto gastos que a verba não cobre, e que deveria ser gasto com os alunos menos favorecidos. Consequentemente, isso causa indignação da parte daqueles que realmente precisam da vaga.

Conclui-se que, com o aumento de alunos nas universidades federais, cabe ao MEC propor uma lei, aonde lei para aqueles alunos com uma melhor condição financeira pague paguem uma taxa. Com essa proposta, as universidades terão mais recursos para o bem estar bem-estar e educação do aluno.

Comentário geral

Texto fraco, que deixa a desejar em todas as competências, particularmente em termos de linguagem e de argumentação.

Competências

  • 1) Texto muito fraco no que se refere à linguagem. Desde o título ambíguo, fica patente o uso informal do idioma. O uso de expressões como "a banda toca" reforça ainda mais essa informalidade.
  • 2) Nota-se que o aluno compreendeu o tema e tentou desenvolvê-lo dissertativamente, mas não conseguiu criar uma linha de raciocínio, nem argumentar.
  • 3) Argumentação propriamente dita só existe no terceiro parágrafo, mas é justamente nele que se encontra uma frase confusa e obscura, assinalada em vermelho, que prejudica a formalização do argumento. Há também muitos equívocos conceituais: já passamos do "limiar" do século XXI. A universidade pública foi pensada visando a atender a todos e não especificamente a população de baixa renda, que não mora necessariamente em "bairros periféricos".
  • 4) O autor não demonstra domínio dos mecanismos linguísticos (os recursos coesivos) para construir uma dissertação. Do segundo e terceiro parágrafos, não decorre a conclusão expressa no último.
  • 5) A proposta é incabível: o Ministério da Educação não propõe leis. O pagamento de mensalidades por quem pode pagar, por si só, não resolve o problema da universidade. Não se entende no contexto o que o autor quer dizer com bem-estar dos alunos.

Competências avaliadas

As notas são definidas segundo os critérios da pontuação do MEC
Título nota (0 a 1000)
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 80
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 120
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 80
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 80
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 80
Nota final 440

Redações corrigidas

Título nota (0 a 1000)

Os textos desse bloco foram elaborados por internautas que desenvolveram a proposta apresentada pelo UOL para este mês. A seleção e avaliação foi feita por uma equipe de professores associada ao Banco de redações.

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012.

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.