Gerações em conflito

NOTA 0,0

O iluminismo, movimento intelectual que surgiu no século XVIII, fez o ser humano ter uma visão diferenciada de si mesmo, reconhecendo suas habilidades e fraquezas. Este Esse autoconhecimento se fortificou com o passar dos anos, tornando a sociedade mais autoconfiante.

Por conseguinte, nos tempos atuais surge atuais, surgiu uma nova concepção concepção, por parte dos adultos e idosos, quanto aos adolescentes e jovens atuais atuais, que são considerados arrogantes e confiantes demais. Diversos motivos são apresentados para a geração mais nova ter obtido tanta confiança em si, como por exemplo como, por exemplo, o mimo dos pais e as diversas oportunidades que os jovens e adolescentes possuem para ampliar o conhecimento, diferente diferentemente do que era disponível à geração anterior. Essa forma de se ver melhor do que os outros acaba por gerar problemas aos mais novos, como por exemplo como, por exemplo, sentir que seus talentos não estão sendo devidamente reconhecidos.

Estudos recentes comprovam que os adolescentes e jovens atuais realmente se sentem melhores do que as pessoas mais velhas, entretanto entretanto, percebe-se que há um conflito de gerações. É célebre que a tecnologia mais avançada e a maior disponibilidade de universidades e escolas fizeram a geração mais nova obter conhecimentos mais rapidamente.

Se compararmos em termos intelectuais a população mundial atual, com a de pessoas da idade média Idade Média, veremos que há uma grande diferença de conhecimento.

É notável a arrogância da geração mais nova, porém é perceptível o descontentamento das pessoas mais velhas em aceitar que os jovens e adolescentes estão aprendendo mais rapidamente.

Comentário geral

É uma pena atribuir nota zero a um texto que revela muitas qualidades, quanto à linguagem e ao gênero dissertativo. O autor da redação sabe escrever e argumentar, num patamar que parece acima da média. No entanto, ele simplesmente entendeu o texto de um modo completamente equivocado. O narcisismo, a turma do "eu me acho", da "geração eu" não são fenômenos que traduzem o conflito entre os jovens de hoje e do passado e, de modo nenhum, é uma compreensão equivocada que velhos ignorantes teriam em relação ao jovens de hoje. Ninguém está negando a existência de um conflito de gerações, que existe sem dúvida nenhuma, mas não tem relação nenhuma com o fato de crescer o número de adolescentes e jovens adultos narcisistas e incapazes de lidar com a frustração. O autor não só considera que o tema se relaciona com o conflito de gerações, quanto toma seu partido nesse conflito, defendendo a posição dos jovens de hoje. De fato, as novas gerações têm cada vez mais conhecimentos e acesso à informação, mas não é ponto pacífico que eles superem gerações passadas ou que seja verdadeira a ideia de uma História como um contínuo progresso do ser humano. O autor aborda de modo juvenil e leviano todas essas questões, o que é compreensível, mas nem por isso torna suas ambiciosas observações verídicas.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) o que significa ter uma visão diferenciada de si mesmo? Qual é a diferença entre essa visão e as anteriores, que datam pelo menos do século IV antes de Cristo, na Grécia antiga? De onde o autor extraiu a informação de que o homem começou a se autoconhecer com o Iluminismo? Vale lembrar que vem do antiquíssimo oráculo de Delfos o célebre aforismo: conhece-te a ti mesmo. Enfim, é preciso tomar cuidado com generalizações de caráter histórico. São questões muito complexas de que dificilmente alguém consegue dar conta no âmbito de uma redação escolar. Seria melhor que o autor se ativesse a questões menos complexas, sob pena de falar bobagem. b) É muito discutível que esse suposto autoconhecimento tenha se fortalecido com o passar de pelo menos 250 anos. Mas quem é que consegue dar conta de um período de tempo tão longo num texto tão breve? c) Que sociedade se tornou mais autossuficiente? A sociedade do Ocidente? As sociedades do Oriente islâmico ou asiático? O que autosuficiência tem que ver com narcisismo?

2) Segundo parágrafo: a) já que o autor se referiu ao Iluminisno, é o caso de perguntar o que ele chama de tempos atuais? Quanto tempo abrange esse período que ele considera atual? Certamente, ele não está querendo referir-se aos últimos meses, mas não dá para saber ao certo, pois a primeira referência dele data de mais de 250 anos. b) não é necessário repetir atuais duas vezes.

3) Terceiro parágrafo: Notar que o autor passa a usar uma espécie de cacoete linguístico, reforçando suas afirmações com as expressões É célebre, é notável, é perceptível. Não se trata de uma questão de celebridade, de notabilidade, de perceptibilidade! Bastava dizer: os avanços tecnológicos e maior disponibilidade do ensino fizeram a geração mais nova obter conhecimentos mais rapidamente. É isso que o autor afirma. Não importa se seu ponto de vista é celebre, notório, perceptível. Usar essas palavras é fazer um circunlóquio e não ir direto ao ponto.

4) Quarto parágrafo: talvez se encontrem pessoas mais bem informadas hoje do que na Idade Média, de um modo muito geral. Mas vale lembrar ao autor que essas classificações são relativas. Um analfabeto dos dias atuais padece da mesma deficiência cultural que um analfabeto da Idade Média.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 0,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,0
Nota final 0,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos