Honestidade por trás de reivindicações

NOTA 4,0

Em meio ao caos em que se encontra o Brasil, infelizmente tornou-se comum conviver com diversos protestos contra a corrupção, ex-presidentes, senadores e muitos outros que se envolvam em escândalos. O povo brasileiro reivindica diariamente um país menos corrupto.

A partir do momento em que são requeridas atitudes honestas, é necessário apresentar tais atitudes, o que muitas vezes não acontece, o que podemos chamar de "corrupção do dia a dia", explica dia" explica o que foi exibido.

Voltar ou receber o troco errado e não se manifestar; ocupar lugares destinados à a deficientes e idosos; utilizar, sem autorização, fontes de fizinhos (o famoso "gato") ; sonegar impostos; dirigir embriagado; entre outros, são atos presentes na rotina de muitos brasileiros. Muitas vezes considerados consideradas insignificantes, essas ações influenciam negativamente no funcionamento do país, dessa país. Dessa forma seria injusto depositar a culpa, por diversos problemas, culpa por diversos problemas apenas no governo.

Diante do exposto exposto, é necessário que pais e escolas eduquem não somente para ler e escrever, mas que ensinem seus filhos e alunos à a complicada, porém admirável arte de ser um cidadão honesto. A conscientização através de palestras é também uma estratégia para chamar atenção para o desrespeito e o descumprimento de alguns deveres como, por exemplo, o pagamento de impostos, acatamento às leis de trânsito, dentre entre outros.

Com o problema amenizado, os protestos e reivindicações realizados por diversos brasileiros poderiam finalmente ser considerados justos.

Comentário geral

O texto é confuso. Começa dizendo que – infelizmente! – protestos contra a corrupção se tornaram corriqueiros. Ora, não são os protestos que são lamentáveis. O terrível é haver uma corrupção tão grande que gera tantos protestos. De qualquer forma, o autor insiste em criticar aqueles que protestam, pois os considera hipócritas, uma vez que protestam contra a corrupção, mas a praticam no dia a dia. Para piorar, a redação termina com uma afirmação absurda: quando diminuírem os casos de corrupção, aí sim os protestos serão justos. Como assim?! Enfim, nota-se que o autor se expressa mal e acaba dizendo o contrário do que efetivamente quer dizer. Ou seja, os protestos contra a corrupção dos governantes só seriam verdadeiramente justos, caso aqueles que protestam também não agissem de modo semelhante.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: como já dissemos, não se pode culpar o povo brasileiro por exigir o fim da corrupção. O problema é a corrupção, não o combate a ela. É errado exigir o fim da corrupção? O autor equaciona a questão de um modo incorreto.

2) Segundo parágrafo: a) aqui o autor explica o problema que ele vê nos protestos: a falta de honestidade dos manifestantes. Em tese, tudo bem. Mas há uma diferença entre um corrupto que faz um gato ou dá o troco errado e um político eleito que desvia a merenda ou rouba milhões de reais. Um rouba pouco o outro rouba muito. Os dois são iguais? Apenas até certo ponto. Não dá para dizer que é a mesma coisa um ladrão de galinha e um senador corrupto. Há, no mínimo, uma diferença de grau. b) Além da repetição de o que, o trecho se encerra de modo ambíguo: a que exatamente se refere a frase o que foi exibido? Ao que foi dito antes? É a corrupção do dia a dia que explica a existência de tantos protestos? Claro que não. O autor parece querer dizer é que uma arraigada cultura da corrupção no Brasil explica os grandes escândalos que vemos hoje.

3) Terceiro parágrafo: era melhor falar diretamente em "gato", do que em fontes de fizinhos (fiozinhos, talvez...).

4) Quinto parágrafo: a conclusão do autor é que só quem é honesto pode protestar com justiça. Enquanto houver corrupção na base da sociedade não será justo protestar contra a corrupção do topo da pirâmide social. É uma conclusão muito radical, que nivela delitos muito desiguais.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 4,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos