Justiça, uma cura moral

NOTA 2,0

A questão de praticarmos justiça e injustiça sempre foi questionada, desde os primórdios até os dias de atuais. Em todas as culturas, a questão de sermos justos eram levantadas, caso praticassem algo que pela sociedade era considerado injusto eramos julgados pelos nossos atos ignóbil ignóbeis. Porém Porém, nosso grande erro é julgar sem querer ser julgado, sabemos mas não querer sermos julgados. Sabemos que todos praticamos injustiça, mas, se nos se ela é praticada contra nós nós, achamos algo errado, e sempre exigimos a justiça que nunca é nos dada. Então o que seria a justiça? algo Algo que nos disciplinas e nós disciplina e nos torna mais justo justos?

Como a A pergunta de Polo à Sócrates a Sócrates, "Preferirias sofrer uma injustiça, ao invés de prática-la?" praticá-la?", a sociedade, hoje em dia, com toda certeza responderia, prática-la certeza, responderia: praticá-la. Sabemos que a injustiça já se tornou um modismo na sociedade, que nós é apresentada, de forma ruim, mas que lá no fundo praticamos tal, e que a verdadeira justiça é aquela, de que alguma forma, nos torna mais justos.

Entende-se que ao praticarmos a injustiça ao invés de justiça, não somos felizes. Porém, nos dias em que vivemos, não temos tal pensamento, e seguimos nossa com nossa vida normalmente, como se nada tivesse acontecido, ao invés de nos importamos importarmos e ter consciência de nossos atos. Só existe uma palavra que possa denominar a injustiça no mundo: Hipocrisia.

O costume de sermos injusto nós injustos nos faz termos alto-piedade,em autopiedade. Em em vez de praticarmos a verdadeira justiça, não o fazemos e julgamos as pessoas que não a o fazem, e esse ato nos torna hipócrita hipócritas, e a nossa grande verdade é se liberta libertar de um mal maior quando praticamos algo errado, isso porque a justiça é uma cura moral. Como diria a grande sumidade Nicolae Iorga: A "A justiça pode caminhar sozinha; a injustiça precisa sempre de muletas, de argumentos argumentos".

Comentário geral

Texto fraco, muito confuso, do qual só é possível depreender o ponto de vista do autor, segundo o qual, hoje em dia, a maioria das pessoas preferem cometer a injustiça, em vez de praticá-la. Ele não apresenta fatos para tentar comprovar o seu ponto de vista. Antes, parece fazer algumas digressões sobre o tema. Há erros de gramática e trechos ininteligíveis, desde o título, pois não fica claro o que o autor quer dizer ao atribuir à justiça a qualificação de "cura moral". O texto não cumpre a exigência da competência 5, o que puxa a nota ainda mais para baixo.

 

Aspectos pontuais

 

1) Primeiro parágrafo: a) Começa de modo redundante, repetindo a ideia que o ser humano sempre se questionou sobre a justiça. Falar em questão que foi questionada é o cúmulo: quem faz uma questão está questionando. Isso é uma tautologia. b) Para piorar, a segunda frase do parágrafo, com inúmeros erros de concordância verbal, impede que o leitor entenda a quem se refere as afirmações do autor. c) O raciocínio expresso no parágrafo todo é ininteligível. Qualquer pessoa que tentar parafrasear o autor não vai conseguir, pois é impossível compreender o que ele está dizendo. d) A pergunta final, também é redundante (justiça é ser justo?) e o autor não apresenta uma resposta para ela.

2) Segundo parágrafo: a) é moda praticar injustiças? As pessoas estão sendo injustas por modismo? Não faz sentido. b) O trecho final é outra confusão, com mais tautologia: a justiça de verdade nos torna justos? Como fazer justiça poderia nos tornar injustos?

3) Terceiro parágrafo: é lamentável. O autor só faz uma afirmação compreensível na primeira frase. O resto é pura confusão de sintaxe e lógica.

4) Quarto parágrafo: a) O trecho em vermelho também não faz sentido, faltam elementos na frase para que um raciocínio completo esteja formulado. b) Apresentar alguém como grande sumidade é um subterfúgio para dizer que se está citando alguém muito importante, mas que não sabe ao certo quem é esse alguém.

 

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 0,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,0
Nota final 2,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos