Minha redação

NOTA 4,0

O consumo de drogas no Brasil, como o crack O consumo de drogas como o crack, no Brasil, não é um assunto novo, a novo. A dependência assustadoramente rápida em relação a esse entorpecente e é o que preocupa órgãos de saúde pública e demais instituições. Moradores de rua como adolescentes rua, muitas vezes ainda adolescentes, estão fazendo parte de uma da realidade alarmante de dos usuários assíduos de drogas, o que faz muitos deles até matar, roubar, prostituir-se os leva a se prostituir, a roubar e até a matar para comprar a droga eles droga. Eles não se enxergam em outra realidade, Não vem outra saida não veem outra saída.

O Grande numero grande número de moradores de rua na grande São Paulo, chama Paulo chama atenção para um grupo cada vez maior de usuários num local conhecido como cracolandia cracolândia. Em sua grande parte Grande parte deles são jovens que se veem presos num a um prazer do fictício de poucos minutos, onde se viciam cada dia mais.

Uma questão social passa a ser questionada com essa realidade, muitos na cracolandia cracolândia simplesmente esquecem de viver, esquecem até de beber água, para poder consumir o crack, Não crack. Não dormem, não comem, Não não são capazes de encher o próprio destino do vivem para o vício. Nem tão pouco livres, são presos na própria realidade.

Quando um indivíduo não tem mais capacidade de se cuidar cuidar, é dever do estado e da sociedade intervir. Muitos moradores da cracolandia cracolândia já estão presos no vício, alguns tem uma vício. Alguns têm condição psicológica e pedem ajuda, já ajuda. Já outros simplesmente morrem sem telas por não tê-las.

A internação obrigatória para dependente dependentes do crack não é uma prisão, É prisão. É a chance de de essas pessoas serem livres da própria prisão prisão, onde nem conseguem se reconhecerem reconhecer. Portanto ao Portanto, obrigar aqueles que não enxergam o seus problemas, a internação obrigatória seus problemas a se internar não é um desrespeito aos seus direitos de dizer sim ou não ao seu direito de escolha, mas sim um respeito a sua condição de ser humano.

Comentário geral

Texto mediano, que tem como mérito a capacidade de o autor comunicar suas ideias por escrito, apesar dos muitos erros gramaticais. Como ponto positivo, a redação tem ainda o fato de seu autor apresentar argumentos em defesa de seu ponto de vista, nos dois últimos parágrafos. Quanto à estrutura dissertativa, há um grande problema: os três primeiros parágrafos funcionam como introdução, pois, de um modo geral, apenas expõem o tema a ser tratado. Só nos dois parágrafos finais o autor faz um breve desenvolvimento de suas opiniões sobre o tema, chegando muito rapidamente a uma conclusão favorável à internação provisória, por considerar exclusivamente um lado do problema proposto pelo tema da redação.

Aspectos pontuais

 

1) Título: na verdade, a redação não tem um título. Para facilitar a identificação, usamos a indicação Minha redação, com que o autor preencheu o campo assunto, no cabeçalho de seu e-mail.

2) Segundo parágrafo: a) Notar quantas vezes o autor, a partir daqui, repete várias vezes a mesma ideia de que o crack faz presos ou é uma prisão. Essa repetição revela somente uma grande falta de ideias e nada acrescenta, pelo contrário, diminui a redação. b) A sensação de prazer sentida pelo usuário não é fictícia: é real e tão forte que gera rapidamente a dependência. É o prazer obtido por substâncias químicas que originam a dependência. De resto, mais repetição: se eles estão presos ao prazer do vício, é claro que são viciados e o vício não necessariamente aumenta a cada dia. A dependência tem mecanismos mais complexos que o autor desconhece ou não consegue expressar.

3) Terceiro parágrafo: começa com a lamentável afirmação de que uma questão é questionada, avança para falar num enigmático encher o próprio destino do vivem para o vício (com sintaxe truncada) e termina repetindo mais uma vez a ideia de prisão, como também vai fazer nos dois parágrafos subsequentes.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,0
Nota final 4,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos