O Brasil perdendo de 7 x1 pra um mosquito

NOTA 0,0

O mosquito Aedes aegypti, está aegypti está ainda muito longe de sumir do Brasil. Enquanto a população não mudar seus atos seu comportamento, enquanto tivermos políticos corruptos, infelizmente nossa realidade vai ser essa. Antigamente tinha os carros fumaças, mais mas hoje em dia não temos mais, segundo mais. Segundo o governo, o veneno fortalecia mais os mosquitos e assim eles viam ficavam mais resistentes.

Inventaram outro mosquito pra com um mosquito matar o da dengue, mais mas com um erro não se consertar conserta outro, talvez outro. Talvez essas mutações de mosquitos mais fortes seja isso, antigamente não tínhamos casos de zika, chycungunha Zika, Chikungunya e microcefalia. Temos que nos conscientiza conscientizar de que estamos longe de vencer esse mosquito. Todos nós temos que fazer nossa parte, só assim vamos amenizar a situação de nosso país.

Comentário geral

Texto muito fraco. A linguagem não se enquadra na norma culta, pois é totalmente informal e não dá conta de comunicar com clareza e precisão o que o autor está tentando dizer. Não existe uma estrutura dissertativa, nem uma argumentação propriamente dita. Há uma tentativa de argumentar no início do segundo parágrafo, mas é confusa e inconsistente. Não há, de fato, uma reflexão nem uma análise do problema que está na base da proposta de redação.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) tanto a sintaxe quanto o vocabulário revelam o caráter informal da linguagem. Na norma culta, a declaração que o autor faz poderia ser escrita assim: O Brasil não consegue erradicar o Aedes aegypti. b) A repetição do mais revela a precariedade no manuseio do idioma. c) O que o autor quer dizer com carros fumaça? Talvez se trate de uma expressão regional. A pulverização de inseticidas e larvicidas é mais conhecida popularmente como fumacê. d) Não é o governo que fala do aumento da resistência dos mosquitos, mas os cientistas. e) Viam? Provavelmente o autor quis dizer vinham, mas esse também não é o verbo adequado.

2) Segundo parágrafo: a) De maneira confusa e informal, o aluno se refere ao experimento de alterar geneticamente o Aedes aegypti para controlar sua proliferação, mas carece de cientificidade afirmar que o mosquito alterado com esse fim se tornou o responsável pelo Zika e a Chikungunya. b) Fazer a nossa parte é uma sugestão genérica demais, vale para muitos problemas. É preciso dizer em que consiste fazer a nossa parte. O mesmo vale para amenizar a situação do país, expressão que não se refere especificamente à proliferação do Aedes aegypti.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 0,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,0
Nota final 0,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos