O falso conceito de bandido

NOTA 7,0

Segundo pesquisas recentes, cerca de metade da população brasileira concorda com a firmação a afirmação de que bandido bom é bandido morto. Porém, ser condizente a este estar de acordo com esse enunciado é sinônimo, ainda que de maneira indireta, de ser pró a a favor da cultura de violência.

Ao se deparar com um sistema judicial falho e lento, o cidadão enxerga nessa afirmativa uma solução imediata para os problemas associados à violência violência, que tanto amedronta, assusta e revolta a população. Prova disso, é o aumento significativo da ação de justiceiros e a permanência, há décadas, de uma polícia tão violenta e ultrapassada.

O apoio a essa tese, serve tese serve somente para enraizar, ainda mais, a cultura vivida atualmente. Com ela, a diminuição da violência, que é o que de fato se busca, acaba tendo efeito contrário Assim, a violência aumenta, em vez de diminuir, que é o que de fato se busca. Isso porque se aprende que violência se "cura" com violência não com educação, cultura e vida de qualidade.

Diante disso, se faz necessário o verdadeiro entendimento da afirmação para que a violência seja combatida de forma plena, não ilusória. Bandido bom é bandido que estuda, muda e se reintegra na sociedade.

Comentário geral

Texto bom, cuja maioria dos problemas é de pequena importância. O autor desenvolveu de fato uma argumentação para sustentar o seu ponto de vista e isso é o fundamental numa dissertação. Mas a análise que ele faz dos fatos é superficial em termos de conteúdo. Além disso, os trechos em vermelho puxam a nota para baixo, pois prejudicam a clareza na exposição das ideias e a própria argumentação.

Aspectos pontuais

1) Título: não se trata de um falso conceito de bandido, mas de um conceito de bandido falso, equivocado. O falso é predicado do termo bandido e não do termo conceito, pois os conceitos, em geral, podem tanto ser falsos como verdadeiros e o autor se refere aqui a um conceito específico.

2)Primeiro parágrafo: o que é uma cultura de violência? Trata-se de uma expressão que não é autoexplicativa e, por isso, o autor deveria dizer exatamente o quê quer significar com ela.

2) Terceiro parágrafo: ao falar em cultura vivida atualmente, o autor quer se referir ao que ele chamou ambiguamente de cultura de violência. Então a ambiguidade aqui é dupla, pois falar em cultura atual não significa necessariamente se referir à violência.

3) Quarto parágrafo: por verdadeiro entendimento da afirmação, o autor quer se referir a outra coisa, isto é, que se deve encarar/analisar criticamente a expressão, uma vez que, segundo ele, violência só gera violência.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,0
Nota final 7,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos