O governo melhor que o governo

NOTA 4,0

Egoísmo, oposição e impunidade são definições que podemos encontrar no atual governo brasileiro. Muitas são as pessoas a favor do Impeachment impeachment, porém há também uma parte da população que ainda se prende ao atual governo, defendendo suas ideias e pensamentos a respeito do Brasil.

O que os cidadãos brasileiros argumentam a favor do impeachment é que já estão cansados, de cansados de tanta corrupção, impostos tão altos, e qualidade de vida decaída. A milhares de anos com o sistema democrático brasileiro implantado nunca se houve tantas manifestações e ingratidão em relação ao governo, contudo, não houve também impostos absurdos e a tão falada "crise econômica". Vários são os fatores que propiciaram a instalação dessa crise, porém não se justifica o erro ocorrido cometido pelo governo, que ainda pode afetar por mais alguns anos a população.

Já a população que se coloca contra o Impeachment impeachment justifica sua posição demonstrando que o governo já fez várias melhorias para o país e a crise instalada se dá por fatores que vão além da crise política; porém como deduziu a pensadora Eça de Queirós "Políticos e fraldas devem ser trocados de tempos em tempos pelo mesmo motivo".

Portanto, o Impeachment impeachment pode ser visto como uma forma de melhorar o atual governo que se encontra de forma crítica e vergonhosa. Thomas Hobbes, filósofo inglês, declarou que qualquer governo é melhor que a ausência de governo, é preferível da à anarquia, à violência civil generalizada e do ao medo permanente. Cabe ao Ministério da Justiça adaptar as leis, e levá-las a à risca; conscientizar a população através de palestras e mídias alfas, para assim voltarmos a ter governos como na Era Vargas.

Comentário geral

Texto fraco, talvez mais pela dificuldade que o autor demonstra de expor suas ideias com clareza e correção, cometendo erros de sintaxe, de escolha e combinação do vocabulário e até de conteúdo. Mesmo assim, o texto tem alguns méritos. Em termos de estrutura, tem coesão e segue uma linha de raciocínio, constituindo-se de fato numa dissertação argumentativa.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: as três definições apresentadas, para começar, não são definições, mas características. Egoísmo é uma característica de pessoas, mais do que de instituições e, portanto, o termo foi mal escolhido. Oposição, por definição, não faz parte do governo, mas é o que se opõe a ele. Impunidade também não é uma característica adequada, pois, de fato, o atual governo não está totalmente impune.

2) Segundo parágrafo: a) dizer que o governo democrático brasileiro existe há milhares de anos é um completo absurdo histórico. b) O verbo haver, nesse contexto, não é pronominal. c) Falar em ingratidão soa contraditório, pois, a rigor, o autor está de acordo com a tese do impeachment.

3) Terceiro parágrafo:  Eça de Queirós foi um escritor, não uma pensadora.

4) Quarto parágrafo: a) governo que se encontra de forma crítica e vergonhosa está longe de ser uma frase correta em norma culta. b) O autor demonstra incompreensão do que é o Ministério da Justiça e de seu papel no Governo e volta ao surrealismo histórico. Os governos da Era Vargas são, na verdade, um só governo, que tinha à frente Getúlio Vargas. O ápice da Era Vargas foi ditatorial, então estamos diante de um elogio à ditadura.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 4,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos