O poder

NOTA 4,0

É inegável que a globalização trás traz grandes mudanças no cotidiano de todos, dentre essas todos. Dentre elas, podemos citar a terceirização, que pode ser entendida como um processo em que uma empresa contrata outra empresa especializada para ficar responsável por uma determinada área da mesma.

Muitas vezes esse processo passa despercebido por nós, contudo ele é muito comum. Então seria nesse momento que deveríamos parar para questionar: Por por que a terceirização cresce gradativamente na sociedade?

Suponha que uma instituição necessite de oito funcionários para trabalhar na área da limpeza, então esta ela decide terceirizar a mão de obra, contratando as mesmas oito pessoas. Mas para que terceirizar? Muitas Muitos justificam dizendo que é pela facilidade.

Todavia essa instituição obtém um gasto menor com essas contratações, que sai do salário dos funcionários, além do lucro que essa empresa que disponibiliza mão de obra pretende obter, que faz com que diminua mais ainda os salários dos empregados.

Há ditados como "A a corda arrebenta primeira primeiro sempre do lado mais fraco", o fraco. O caso acima exemplifica bem esse provérbio, onde pois grandes empresas são beneficiadas através dos funcionários, que representam a maioria, que se unidos lutarem por seus direitos conseguem vencer o poder.

Comentário geral

 

Texto que fica entre o fraco e o regular. Em termos de linguagem, há uma quantidade significativa de problemas graves, que se refletem no conteúdo, caracterizando uma visão equivocada da ideia de terceirização. Por outro lado, o autor apresenta seu ponto de vista para o assunto e apresenta argumentos para sustenta-lo, tentando seguir o roteiro de um texto dissertativo. Mesmo assim, a introdução que ocupa os dois primeiros parágrafos é confusa e divagadora. São os três parágrafos finais que elevam a nota do texto, apesar de seus problemas. De resto, vale notar o tom excessivamente didático do texto, como se o autor estivesse escrevendo para alguém com deficiência cognitiva.

 

Aspectos pontuais

 

1) Primeiro parágrafo: embora não de todo errada, a definição que o autor dá de terceirização é confusa. A terceirização já existe no Brasil há décadas, mas era limitada às atividades-meio. Agora, vale também para as atividades-fim. Uma empresa automobilística, por exemplo, pode contratar os serviços de vários operários metalúrgicos, que não têm vínculo empregatício com ela, mas com uma empresa especializada em fornecer mão de obra.

2) Segundo parágrafo: a) Nós quem? Todos os que estão envolvidos no processo sabem o que ele é e como funciona. Agora, se você é alheio a uma empresa, mas vai até lá comprar um produto e é recebida por uma funcionária, você só vai ficar sabendo se ela é ou não terceirizada caso pergunte e ela ache que deve lhe falar de sua situação funcional, o que, a rigor, não é da sua conta. Não é que o fato passe despercebido. b) Qual é esse momento em que surge a dúvida sobre o crescimento da terceirização? O autor não explica por que motivo justamente nesse momento surge a dúvida.

3) Terceiro parágrafo: a) Não são necessariamente as mesmas oito. b) A justificativa é o próprio corte de custos e não a facilidade. Onde o autor ouviu algum empresário dizendo que vai adotar a terceirização por ser mais fácil?

4) Quarto parágrafo: mais uma vez, o autor escreve mais ou menos certo, mas por linhas tortas. A empresa que conta com funcionários terceirizados corta seus custos com mão de obra e, com isso, aufere lucro. A empresa que fornece mão de obra é quem arca com o salário e os encargos trabalhistas dos funcionários que terceiriza. O trabalhador certamente acaba ganhando menos. Mas o problema mesmo é que, no Brasil, os encargos trabalhistas são muito altos, dificultando as contratações e favorecendo as terceirizações.

4) Quarto parágrafo: começa corretamente (exceto pelo uso de através), mas o autor deveria passar mais gradativamente do tom objetivo com que expõe o seu ponto de vista sobre a terceirização, para o tom panfletário com que conclama os trabalhadores para a luta.

 

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 4,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos