O preço salgado da negligência

NOTA 3,5

O rompimento da barragem da empresa Samarco é mais uma comprovação de que os órgãos fiscalizadores governamentais estão empregando funcionários desqualificados para exercerem tais funções. Essas negligências não só são vistas na parte de projeções arquitetônicas, mas também na área de vigilância sanitária e de saúde, o que evidencia o abandono do poder público.

Esse desastre que afetou toda a região sudeste
do país poderia ter sido evitado se houvesse uma maior pressão por parte do órgão fiscalizador de segurança de Barragens barragens, impondo multas às empresas que não seguissem os padrões corretos de funcionamento.

Além disso, os impactos ambientais provenientes desse rompimento são de proporções nunca vista anterior mente anteriormente na história do Brasil, que mediante a crise hídrica teve muitos rios, como o Rio Doce, inoperantes e poluídos, tornando o consumo de sua água impróprio e matando toneladas de peixes que viviam em seu leito.

No dia 5 de novembro de 2015 vimos o que um erro é capaz de acarretar, tornando a situação do país pior do que já estava. O ocorrido servirá de lição para que outras mineradoras não cometam o mesmo erro e tenham que pagar o preço da negligência.

Comentário geral

Texto fraco, que começa equivocadamente, apresenta uma proposta de solução do problema no segundo parágrafo (e não na conclusão), e se limita à exposição de fatos no desenvolvimento, que se estende até a conclusão, também equivocada.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a) Começa com um equívoco. O desastre na barragem mostra, certamente, que houve falha na fiscalização, mas não que os fiscais sejam desqualificados. Eles podem ser qualificados mas não terem exercido bem suas funções por vários motivos. b) Por projeções arquitetônicas o autor se refere a que? Provavelmente a obras e construções de um modo geral, mas sua expressão é ambígua. c) A frase final também é ambígua: o poder público não foi abandonado. O que o aluno quer dizer é que o poder público é negligente ou age com descaso.

2) Segundo parágrafo: não é verdade que toda a região Sudeste foi afetada pelo desastre, que se estendeu de Mariana, em Minas Gerais, até o Espírito Santo. E nem sequer estes estados foram totalmente atingidos.

3) Terceiro parágrafo: a) rio inoperante é uma expressão sem sentido. b) A que crise hídrica o autor se refere?

4) Quarto parágrafo: a) em que sentido o desastre de Mariana deixou o país em pior situação? b) Seria ótimo se o desastre servir de lição, mas até agora nada permite afirmar categoricamente isso, como faz o autor na sua conclusão.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 3,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos