Opinião ou imposição?

NOTA 5,5

A política é um assunto que está cada vez mais em evidência. Os debates políticos tornaram-se comuns e não ocorrem mais apenas em períodos de eleições. Fala-se sobre política em diversos lugares, entre eles, estão entre os quais estão as escolas.

O estudo é fundamental na vida dos jovens e matérias como história, filosofia e sociologia costumam abordar esse tema de diversas formas. Com isso, os alunos têm a oportunidade de não apenas entender mais sobre política, como também de começar a formar a sua opinião.

Entretanto, não se aprende política apenas dentro das salas de aula. Ler jornais, artigos na internet e assistir a telejornais também são formas de aprender política. E olhando em um contexto geral, muitas vezes a mídia não consegue ser imparcial quando se trata de política, portanto, não seria certo cobrar imparcialidade dos professores.

Algumas pessoas podem argumentar que professores podem impor certas doutrinas para os alunos, porém até mesmo nas redes sociais existem pessoas que querem impor doutrinas. Sendo assim, para os jovens não serem "doutrinados", não apenas as escolas deveriam ser sem partido, e sim toda a sociedade brasileira.

As instituições de ensino e os professores devem ter a liberdade de poder falar sobre política livremente. Em uma escola sem partido, não se pode dar opinião, ou seja, os professores de história teriam que falar sobre o Partido Nazista, sem ter o direito de expor uma opinião contrária sobre a ideologia desse partido. O que seria uma completa privação.

O mundo está cada dia mais moderno e o acesso às informações é enorme. Portanto, uma escola ter partido não significa que os alunos serão doutrinados ou alienados com alguma ideologia, pois com tanta tecnologia e facilidade, os alunos sempre vão ter acesso aos dois lados das informações. Opinar dentro de sala de aula promove o diálogo e não a doutrinação.

Comentário geral

Texto regular, em que o autor demonstra capacidade de se expressar medianamente na norma culta e de desenvolver uma dissertação argumentativa. Há dois deslizes verbais que serão comentados a seguir. Mas há um problema grave de argumentação. O autor justifica a eventual parcialidade e impositividade dos professores dizendo que há outros agentes como os meios de comunicação, que também são parciais e impositivos. Ora, esse argumento valeria para justificar também algo como a corrupção de qualquer político, uma vez que há uma grande quantidade de políticos corruptos. Se aquele rouba, por que este não pode roubar? A questão não é essa: a questão é que alunos, leitores, espectadores, etc. têm direito a ser informados com imparcialidade para conhecer os vários ângulos por meio dos quais se pode observar um tema e refletir sobre ele. Por hipótese, não é porque a imprensa é parcial que o professor tem o direito de ser parcial.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: a frase incial é retórica e não corresponde à realidade. Há épocas em que as questões políticas estão em evidência, há épocas que não. Não dá para afirmar que a política está cada vez mais em evidência. Melhor seria dizer algo como: No Brasil de hoje, a política se tornou um assunto de grande destaque, debatido nos mais diversos lugares e não somente na época de eleições.

2) Terceiro e quarto parágrafos: nesses trechos assinalados em vermelho encontra-se a argumentação falaciosa que é o grande problema do texto. Também é um exagero dizer que uma escola sem partido só poderia existir numa sociedade sem partido. 

3) Quinto parágrafo: a) ao falar sobre o Partido Nazista, o autor apresenta um argumento bem melhor do que os anteriores, embora a proposta de uma escola sem partido não chegue a esse ponto, de propor que se julgue um regime notoriamente totalitário e genocida de modo imparcial. Mesmo assim, é um argumento válido. b) O que seria uma completa privação? O que o autor entende pela palavra privação? Isso não está claro para o leitor.

4) Sexto parágrafo: aqui se repete o problema da frase inicial do primeiro parágrafo, de modo ainda mais grave. O que significa dizer que o mundo está cada dia mais moderno? Se por modernidade se entende o oposto de antiguidade, é evidente que o mundo ficará sempre mais moderno, uma vez que o tempo não volta atrás.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,5
Nota final 5,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos