Orientação Indispensável

NOTA 3,5

O caso Realengo, onde em que um jovem invadiu e atirou em inocentes, na escola onde sofreu bullying, mostrou a importância de se manter uma infância livre de discriminações. Hoje, observamos, portanto, que é fundamental discutir o preconceito nas escolas, pois o combate ao mesmo deve ser constante.

Em primeiro lugar, iremos destacar como o jovem é influenciado pela sua educação. Segundo o filósofo grego e matemático filósofo e matemático grego Pitágoras, devemos educar as nossas crianças para não termos que punir os nossos adultos, atualmente, adultos. Atualmente, diversas atitudes preconceituosas (como apedrejamento de "infiéis" ou surra em homossexuais) comprovam tal afirmativa. É preciso, portanto, que a mudança comece cedo.

Em segundo lugar, apontamos para a a importância da discussão no combate à discriminação. O preconceito é filho da ignorância, e ignorância e, segundo Platão, é o embate de ideias que leva a um novo conhecimento. Logo é preciso levar em consideração que somente através do diálogo esse problema será resolvido.

Fica claro, portanto, que embora seja necessário o debater o preconceito nas escolas, o mesmo deve ser constante e cauteloso, pois a mente de uma criança é facilmente influenciável. É necessário que o governo melhore, nos próximos anos, a educação de base e crie um plano de educação que aborde a questão dos direitos humanos com neutralidade.

Comentário geral

Ressalve-se de antemão que o texto não cumpriu a proposta de escrever uma carta-convite, o que poderia acarretar um zero. Como a avaliação do Banco de Redações visa a ensinar, sem reprovação ou aprovação, vamos limitar o zero à competência 2 e comentar a redação mesmo assim. Ela é razoável, tem uma estrutura dissertativa, embora lhe falte coesão, e discute tolerância e preconceito. Isso e uma linguagem clara são seus pontos positivos. Infelizmente, problemas pontuais se somam ao fato de descumprir a proposta e puxam a nota para baixo.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: o autor começa comentando o bullying para situar o preconceito e a tolerância no âmbito escolar. Mas não é o bullying que deve levar a discutir o preconceito na escola. O bullying pode ocorrer independentemente dos preconceitos, especialmente da homofobia, que era o tema da redação. Então, além de não se incluir no gênero carta, a redação também extrapola o tema proposto.

2) Segundo parágrafo: o que o autor chama de atitudes preonceituosas são na verdade ações violentas contra pessoas diferentes. Mas o fato de essas ações acontecerem não prova que não se discutiu o preconceito na escola. A realidade é mais complexa. O combate ao preconceito não precisa se limitar ao ambiente escolar. E não é obrigatório ter sofrido bullying na infância para ser preconceituoso. Por exemplo, o filho de pais preconceituosos pode vir a ser preconceituoso devido à influência familiar.

3) Quarto parágrafo: a) Veja como não usar incorretamente a palavra mesmo aqui. b) Entende-se que o combate deve ser constante, mas por que cauteloso? Cauteloso em que sentido? Do jeito que está, o texto é ambíguo. c) Não é um erro, mas a língua tem recursos para evitar repetições da mesma palavra. d) Mais uma vez: neutralidade, como assim?

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Nota final 3,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos