Topo

Educação

Banco de Redações

O UOL corrige e comenta 20 redações. Envie a sua sobre o tema da vez


REDAÇÕES CORRIGIDAS - Novembro/2019 Um réu deve ou não ser preso após a condenação em 2ª. instância?

Redação corrigida 680

Os Cinco do Central Park

Inconsistente Erro Correção

Os "Cinco do Central Park" é um seriado que mostra cinco jovens que foram condenados por um crime que não cometeram. Nesse sentido, o debate sobre a prisão após a segunda instância é determinante para evitar decisões errôneas. Assim, depreende-se que fatores como a ineficácia estatal de investigar os crimes e o precário sistema de defesa pública contribuem para que seja garantido garantida a prisão após esgotados todos os recursos.

A princípio, percebe-se que os índices de crimes investigados pelas polícias civis aumentaram exponencialmente, devido ao crescimento populacional e ao maior acesso aos conhecimentos de direitos individuais pela população. Entretanto, o aumento não foi acompanhado pela estrutura organizacional das delegacias que investigam os delitos, devido, assim, devido a pessoal insuficiente, prazos curtos e mecanização dos procedimentos investigativos. Consequentemente, torna-se o estado ineficiente para investigar devidamente os casos.

Além disso, outro fator importante é o sistema de defensoria pública que em várias regiões do Brasil chega a ser precário. Porquanto, precário, porquanto muitas regiões interiores do país contam com poucos defensores públicos para demasiadas causas e áreas de atuação. Dessa forma, deixam de prover a defesa integral de qualidade em todas suas instâncias de forma satisfatória a todos.

Em suma, entende-se que a prisão após todos os recursos seria essencial para que pontos como a ineficácia para investigar e a defesa pública precária não sejam preponderantes para decisões errôneas. Como diz o ditado popular, a justiça tarda mas não falha.

Comentário geral

A perspectiva pela qual o autor desenvolveu o tema é incoerente com a proposta de redação, pois a discussão da prisão após segunda instância não se dá no contexto por ele apresentado, isto é, da precariedade das condições de trabalho da polícia e da defensoria pública. Nesse sentido, é possível considerar que o autor tangenciou o tema ou fugiu à proposta e até atribuir-lhe nota zeno na competência 2. Por outro lado, desconsiderando essa incoerência, o autor desenvolveu uma dissertação argumentativa bem escrita, com poucos erros, de pequena relevância. Ele tem um ponto de vista sobre o tema e soube defendê-lo com argumentos válidos, num português claro e formal. Vale apontar ainda dois problemas de conteúdo: 1) ao levantar o caso dos cinco do Central Park, o autor fala da Justiça norte-americana, em que a prisão ocorre logo após a primeira instância, situação diferentes da brasileira. Portanto, o exemplo não é propriamente adequado. 2) O ditado com que o texto se encerra não tem nada que ver com a argumentação e com a tese do autor, que é a de que a justiça não pode falhar. Se ela demora ou não, no contexto apresentado, isso não vem ao casol.

Competências avaliadas

As notas são definidas segundo os critérios da pontuação do MEC
Título nota (0 a 1000)
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 160
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 80
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 160
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 160
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 120
Nota final 680

Redações corrigidas

Título nota (0 a 1000)

Os textos desse bloco foram elaborados por internautas que desenvolveram a proposta apresentada pelo UOL para este mês. A seleção e avaliação foi feita por uma equipe de professores associada ao Banco de redações.

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012.

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.