Patrimônios destruídos pelo governo

NOTA 0,0

Quando falamos em cultura cultura, logo pensamos em museus ou teatros, é o que mantém nossa história viva, que fazem lembrar-se da extrema importância de seus acontecimentos pelo país, e país e, quando algo destrói esses monumentos, parte do país se decepciona, por lembrar da alegria que trazia as às pessoas saberem que nossa história estava viva de certo modo. E o motivo é o governo, por investir em outros projetos ao invés de focar na cultura do país.

A história do país deveria ser uma das coisas com a qual o governo mais deveria se importar, pelo motivo de sempre deixar as pessoas mais informadas e lembradas, porém isso não existe, eles preferem investir em estádios ao invés de manter histórias de décadas viva. Como o museu nacional Museu Nacional, com seus milhões de visitantes anualmente, e nem isso foi um motivo para o governo dar a atenção necessária, é como se tudo isso fosse uma brincadeira para eles, e acabam deixando de lado algo revolucionário.

Agora com o inicio início das reformas do museu, não só do nacional como outros destruídos também por incêndios, o governo deveria pensar em investir nos patrimônios culturais, como os próprios viram como isso abalou os brasileiros, e os mesmos pedem que eles sejam cuidados e preservados, e isso só pode acontecer com a colaboração, principalmente daqueles que estão acima de nós, começando pela parte da valorização e terminando com a ajuda que ela precisa.

Comentário geral

Texto insatisfatório. O autor demonstra clara incompreensão do tema e dos assuntos a eles relacionados. São muitos os conceitos da área cultural a respeito dos quais o autor tem uma visão ingênua e estereotipada. Por exemplo, dizer que cultura se relaciona exclusivamente a museus e teatros. Ou que o teatro ajuda a manter nossa história viva. Ou ainda relacionar incêndios de museu com decepções e tristezas de cunho pessoal. Não bastasse isso, apenas jogar a culpa no governo, afirmando que ele não "foca na cultura do país" não é propriamente analisar a questão, mas valer-se de uma espécie de acusação genérica, que pode valer para qualquer coisa. Igualmente, terminar o texto ensinando o que o governo deveria fazer é completamente inócuo, enquanto sugestão de intervenção para resolver o problema proposto no tema – e que o autor não entendeu. Para piorar, o texto não é uma dissertação, mas a justaposição de três parágrafos em que se fazem declarações que não chegam a formar uma argumentação. Da mesma forma, a linguagem é informal e repleta de erros gramaticais, de frases ambíguas e sem sentido. Infelizmente, nada se salva do conjunto, como se pode ver lendo apenas os trechos assinalados em vermelho.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 0,0
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 0,0
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 0,0
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 0,0
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,0
Nota final 0,0
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos