Penalidade Máxima

NOTA 7,5

Na atual sociedade brasileira sociedade brasileira atual é notável a violência desenfreada que assola o dia-a-dia dia a dia e correlacionado a isso temos uma desigualdade que aumenta lado a lado com as taxas de criminalidade. Podemos comprovar isso observando que as áreas mais violentas também são as áreas com maiores índices de pobreza.

A opinião pública esta está relacionada diretamente com como a população se sente com determinado acontecimento, e se tratando acontecimento e, em se tratando de violência violência, a população tem medo que algo de ruim possa acontecer com si próprio consigo mesma e com alguém próximo a ela. A população teve teme que possa sair de casa e ser assassinado por um bandido na rua por rua. Por isso pensa que que, se o meliante morrer morrer, um meliante não poderá cometer crimes e assim diminuiria a taxa de criminalidade.

O que muitas vezes não é levado em consideração é que a pessoa que cometeu um crime em crime, na maior parte dos casos casos, é pobre e periférico e que a vive na periferia. A realidade em que ele ela foi criado criada é diferente da realidade de quem é criado longe da periferia, com periferia. Com uma infância pobre e muitas vezes sem infraestrutura escolar escolar, é comum que a o jovem seja exposto a à criminalidade exacerbada que se move a à luz do dia nas comunidades e sem comunidades. Sem propostas de emprego e sem escolaridade o individuo escolaridade, o indivíduo acaba sucumbindo ao crime.

A pena de morte não seria efetiva em primeira instância no Brasil efetiva, em princípio, no Brasil, pois o individuo indivíduo não comete deixa de cometer um crime com por medo de ser punido, mas sim por uma vez que foi levado a isso com o passar dos anos. Seria mais efetivo, para diminuir a criminalidade, fazer uma melhor distribuição de renda renda, na tentativa de salvar o individuo indivíduo, antes que ele sucumba ao crido crime, do que executar o individuo indivíduo depois de cometer seus crimes.

Comentário geral

Texto bom, embora o autor tenha se preocupado mais em explicar e justificar o que, na sua opinião, leva ao crime do que a discutir a eficácia ou não da pena de morte. Essa relação que o autor faz entre pobreza e criminalidade não se sustenta. Há muito mais pobres do que criminosos no Brasil e é de se perguntar se o autor acha que aqueles que cometem os chamados crimes de colarinho branco são levados ao crime pela pobreza... É evidente que não. Não se trata de polemizar com o autor, mas de lembrá-lo que análises com viés ideológico acentuado nunca são muito confiáveis. Os problemas apontados, porém, não comprometem a qualidade do texto como um todo, que está mais para o positivo que para o negativo.

Aspectos pontuais

1) Primeiro parágrafo: com correlacionado e lado a lado o autor quer dizer a mesma coisa, então, para que a redundância?

2) Segundo parágrafo: mais redundância, a repetição desnecessária de população.

3) Terceiro parágrafo: por infraestrutura escolar o autor está se referindo simplesmente a escolas. Se faltam escolas, evidentemente falta a infraestrutura também.

4) Quarto parágrafo: a) a redundância é um traço recorrente na redação e demonstra pobreza de vocabulário. b) Como assim? É o passar dos anos que leva à criminalidade? Os motivos não eram a pobreza e a desigualdade social? Nesse trecho o autor foi vago e incoerente.

Competências avaliadas

Itens Nota
Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,5
Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,5
Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,5
Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,5
Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 1,5
Nota final 7,5
Saiba como é feito a classificação das notas
2,0 - Satisfatório 1,5 - Bom 1,0 - Regular 0,5 - Fraco 0,0 - Insatisfatório

Os textos publicados antes de 1º de janeiro de 2009 não seguem o novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa. A grafia vigente até então e a da reforma ortográfica serão aceitas até 2012

Copyright UOL. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução apenas em trabalhos escolares, sem fins comerciais e desde que com o devido crédito ao UOL e aos autores.

UOL Cursos Online

Todos os cursos